Sexto mandamento - Não tire uma vida!

Introdução ao sexto mandamento 
A ideia bíblica para o sexto mandamento, isto é, "...não matarás...", é simples e direta, um cristão, lavado e remido pelo sangue de Jesus, não compactua com a ideia de que, matar é a resposta, ou seja, a bíblia nos ensina, a sermos próvida, ou seja, nossa posição sempre deve, ser contraria a questões como aborto, pena de morte, ou simplesmente caminhos, que nos levam a guerras, o cristão deve acima de tudo pregar Jesus, e zelar pela paz. 
Matar não é a resposta - Sexto mandamento
Matar não é a resposta - Sexto mandamento
O sexto mandamento é curto. "Não matarás." Ratsach , a palavra hebraica usada aqui para "matar", é mais apropriadamente traduzida como "assassinato". Nas 46 vezes que a palavra é usada no Antigo Testamento, quase todo uso carrega um senso de maldade intencional, vingança de sangue e assassinato, uma sensação de desordem para aqueles que nos rodeiam. O sexto mandamento nos ordena a não cruzar o direito de outra pessoa à vida. Nós não estamos a intencionalmente prejudicar. Devemos pesar outra pessoa pesada; nós não devemos pesar-lhes a luz.
Este comando não é interpretado como uma proibição contra o abate de animais ou peixe para alimentação, mas proíbe danos aos animais por causa do mal. Esta lei proíbe toda tortura, desordem ou dano que atravesse o direito à existência.
Esta é uma lei complicada porque o sexto mandamento tem tantas ramificações. Eu leio Levítico 19 hoje, e você pode ver que Levítico expande a lei em termos verbais: "Não subirás e descerás a calúnia da terra". O comando é expandido.

A interpretação de Jesus ao sexto mandamento

Se isso é verdade na expansão da lei no Antigo Testamento, ela se torna ainda mais intensificada no cumprimento da lei no Novo Testamento. A grande expansão desta lei é "amarás o teu próximo como a ti mesmo". Esse é o grande ponto positivo do comando, e isso levanta muitos problemas diferentes.
No Sermão da Montanha, em Mateus 5 , Jesus decidiu se apossar dessa lei e fazer sua própria expansão de Levítico 19. Ele detalha ainda mais sobre o que significaria subir e descer as calúnias da terra. Ouvimos a expansão de nosso Senhor em um texto famoso, Mateus 5:21 , ligeiramente parafraseado (como todas as citações bíblicas citadas): "Vocês ouviram o que dissemos antigamente: 'Vocês não devem matar. Quem mata será sujeito a julgamento, 'mas eu digo a você, todo aquele que está zangado com o irmão dele será sujeito a julgamento.' "
Jesus agora intensificou isso muito além de qualquer coisa que tenhamos imaginado. Podemos ter pensado: "Essa é uma lei que eu não violei. Eu não matei ninguém", mas você pesou a pessoa pesada? Você cruzou de outras maneiras? O Sermão da Montanha intensificou grandemente o sexto mandamento: "Mas eu lhe digo que qualquer um que esteja zangado com seu irmão (irmã) estará sujeito a julgamento. Novamente, qualquer um que diga a seu irmão (irmã) 'Raca' é responsável para o sinédrio, mas qualquer um que diga: "Seu tolo!" estará em perigo do fogo do inferno. "Portanto, se você está oferecendo seu presente no altar e lembre-se de que seu irmão tem algo contra você, deixe seu presente lá na frente do altar. Primeiro vá e reconcilie-se com seu irmão; então venha e ofereça seu presente ".
Observe nosso Senhor levantando a parte lembrando da Lei: "Lembre-se do modo como Deus fez a terra. Lembre-se da criação, e agora lembre-se da distorção quando virmos uma distorção da lei. Seja reconciliado com seu irmão ou irmã e faça sua oferta, venha e dê seu presente ". Esse é o Sermão da Montanha do nosso Senhor.

 A interpretação de Paulo ao sexto mandamento

O apóstolo Paulo faz a mesma coisa. Em Romanos 12 , ele pega o Sermão do Nosso Senhor no Monte para nos ajudar a entender o que Jesus quis dizer. Jesus disse que se alguém lhe bater em uma das bochechas, mantenha sua posição e faça isso com estilo - vire a outra face. Em Romanos 12:14, Paulo diz: "Abençoe aqueles que te perseguem; abençoe e não amaldiçoe". Paul está reconhecendo um tipo de ciclo vicioso que acontece com maldição e raiva, e ele diz que devemos entrar nesse ciclo vicioso abençoando-os, não amaldiçoando.
No versículo 15, ele diz: "Alegrai-vos com os que se alegram; chorai com os que choram". Parece que Paulo está dizendo que deveríamos tentar entender de onde a outra pessoa está vindo - onde eles estão feridos, onde está sua dor, onde está o júbilo. "Vivam em harmonia uns com os outros. Não sejam orgulhosos, mas estejam dispostos a se associar com pessoas de baixa posição. Não sejam vaidosos. Não retribuam a ninguém o mal pelo mal. Tenha cuidado para fazer o que é certo aos olhos de todos. Se É possível, na medida em que depender de você, viver em paz com todos.Não se vingue, meus amigos, mas deixe espaço para a ira de Deus, pois está escrito: "É meu a vingança; eu vou pagar". diz o Senhor ". Ouça este incrível final: "Se o seu inimigo estiver com fome, alimente-o. Se ele estiver com sede, dê-lhe algo para beber."
Paulo esforça-se para trabalhar na fonte da ira, a fonte da ira - às vezes evitando a ira porque uma pessoa está faminta, talvez faminta emocionalmente, mas faminta por alguma coisa - algum novo alimento. "Então", ele diz, "dê a eles". Então ele cita o Livro dos Provérbios: "Ao fazer isso, você acumulará brasas na cabeça dele". Ele não significa fogo para prejudicar, mas fogo para romper as conchas, aquecer e dar esperança. "Não seja vencido pelo mal, mas supere o mal com o bem." No capítulo 13, Paulo continua: "Que nenhuma dívida continue pendente, exceto a contínua dívida de amar uns aos outros, pois quem ama o próximo cumpriu a lei".

O sexto mandamento é cumprido pelo amor

Todos os mandamentos sobre não matar ou cometer adultério ou roubar ou cobiçar são preenchidos pelo amor. Observe a grande simplificação do apóstolo Paulo. Nosso Senhor faz a grande simplificação no Sermão da Montanha, e Paulo também faz isso. Todos os mandamentos e qualquer outro mandamento são resumidos nesta frase: "Amarás o teu próximo como a ti mesmo". O amor não faz mal ao próximo; portanto, o amor está cumprindo a lei. Fazer mal ao próximo é o que o sexto mandamento realmente significa. Não é só assassinato. É maldade intencional, atravessando o vizinho e os direitos do vizinho, a vida do próximo. Este não é um comando simples. Este mandamento toca muitos problemas hoje em dia.
"Não deverás ratsach " - não vingarás, passarás sobre o direito do próximo à existência - é agora um enorme comando. Traz todos os tipos de questões sociais, como as gradações e as definições do próprio assassinato. Na lei ocidental, o assassinato é definido em um amplo espectro: primeiro grau, premeditação, homicídio culposo e assassinato em segundo grau. "Tu não ratsach " é uma questão complexa. Em outras palavras, todos os graus de maldade que prejudicam nossos vizinhos estão sob este sexto comando.
Suicídio, no qual nos prejudicamos, em que nos consideramos leves demais e decidimos que não merecemos viver - esse comando também é contra isso. Suicídio é assassinato do eu. Não temos o direito de fazer isso. Nós não podemos tirar a nossa própria vida. Nós não podemos tirar a vida de outra pessoa. Não podemos julgar o direito de outra pessoa à existência ou nosso próprio direito à existência. Isso traz à tona as enormes questões da eutanásia, o término das gravidezes problemáticas, da guerra e da pena capital quando a comunidade ganha vida. Essas são questões complicadas, todas trazidas pelo sexto mandamento.
Nosso Senhor entendeu como esse comando se espalhou em muitas direções. Ele nos mostra como uma estratégia de esperança e reconciliação pode acontecer no meio da tragédia neste comando. E há tragédia no sexto mandamento; admite que nos prejudicamos mutuamente. Jesus não está satisfeito em simplesmente mostrar os limites desse mal e nos avisar. Ele nos mostra uma estratégia. Ele diz que se você está no caminho com uma oferta, e descobre que seu vizinho, irmão ou irmã, tem algo contra você, então faça as pazes com aquele vizinho. Conciliar.
A propósito, a palavra conciliar em grego é katallasso , que significa "trazer um novo elemento para uma antiga crise". Um novo elemento causa uma mudança nessa crise. É um catalisador. Esse novo elemento é o amor que Jesus nos dá. Jesus nos dá uma estratégia do bem, uma estratégia de amor diante da tragédia que está por trás do sexto mandamento.

 Considerações finais sobre o sexto mandamento

 Entendo que o sexto mandamento é algo que deve ser observado, e seguido o primeiro homicídio da historia ocorreu ainda cedo, no Gênesis, onde Caim matou Abel, e escolheu desta forma, que matar é a resposta para os problemas, mas também pode ser associado a Judas que suicidou-se e portanto cometeu suicídio, o que é o mesmo de um assassinato, de certa forma, o soldado Doss que virou personagem do cinema, em "Até o ultimo homem", mostrou um exemplo de seguimento das leis de Deus, o homem escolhe matar, seja por dinheiro, território, mulheres, entre outras coisas, mas essa jamais deve ser a opinião de um cristão.

Obrigado por ler esse estudo bíblico, comente e de sua opinião, compartilhe com seus familiares e amigos, receba motivacionais pelo whatsapp (19)993702148.