Publicações

(Bíblia Comentada - Levítico 17) Não coma carne com Sangue

Levítico 17 Comentado


Santidade até mesmo na alimentação, Levítico 17 expõe ao povo, que não deveria comer carne com sangue.

Sangue é vida


LEV 17:1 E falou o SENHOR a Moisés, dizendo:
LEV 17:2 Fala a Arão e a seus filhos, e a todos os filhos de Israel, e dize-lhes: Isto é o que mandou o SENHOR, dizendo:
LEV 17:3 Qualquer homem da casa de Israel que degolar boi, ou cordeiro, ou cabra, no acampamento, ou fora do acampamento,
LEV 17:4 E não o trouxer à porta do tabernáculo do testemunho, para oferecer oferta ao SENHOR diante do tabernáculo do SENHOR, sangue será imputado ao tal homem: sangue derramou; eliminado será o tal homem dentre seu povo:
LEV 17:5 A fim de que tragam os filhos de Israel seus sacrifícios, os que sacrificam sobre a face do campo, para que os tragam ao SENHOR à porta do tabernáculo do testemunho ao sacerdote, e sacrifiquem eles sacrifícios pacíficos ao SENHOR.
LEV 17:6 E o sacerdote espargirá o sangue sobre o altar do SENHOR, à porta do tabernáculo do testemunho, e queimará a gordura em cheiro suave ao SENHOR.
LEV 17:7 E nunca mais sacrificarão seus sacrifícios aos demônios, atrás dos quais se prostituíram: terão isto por estatuto perpétuo por suas gerações.
LEV 17:8 Tu Lhes dirás também: Qualquer homem da casa de Israel, ou dos estrangeiros que peregrinam entre vós, que oferecer holocausto ou sacrifício,
LEV 17:9 E não o trouxer à porta do tabernáculo do testemunho, para fazê-lo ao SENHOR, o tal homem será igualmente eliminado de seus povos.
LEV 17:10 E qualquer homem da casa de Israel, ou dos estrangeiros que peregrinam entre eles, que comer algum sangue, eu porei meu rosto contra a pessoa que comer sangue, e lhe cortarei dentre seu povo.
LEV 17:11 Porque a vida da carne no sangue está: e eu vos a dei para expiar vossas pessoas sobre o altar: pelo qual o mesmo sangue expiará a pessoa.
LEV 17:12 Portanto, disse aos filhos de Israel: Nenhuma pessoa de vós comerá sangue, nem o estrangeiro que peregrina entre vós comerá sangue.
LEV 17:13 E qualquer homem dos filhos de Israel, ou dos estrangeiros que peregrinam entre eles, que recolher caça de animal ou de ave que seja de comer, derramará seu sangue e o cobrirá com terra:
LEV 17:14 Porque a alma de toda carne, sua vida, está em seu sangue: portanto disse aos filhos de Israel: Não comereis o sangue de nenhuma carne, porque a vida de toda carne é seu sangue; qualquer um que a comer será eliminado.
LEV 17:15 E qualquer um pessoa que comer coisa morta ou despedaçada por fera, tanto dos naturais como dos estrangeiros, lavará suas roupas e a si mesmo se lavará com água, e será impuro até à tarde; e se limpará.
LEV 17:16 E se não os lavar, nem lavar sua carne, levará sua iniquidade.

Este capítulo começa outra subdivisão da lei. Até agora só tivemos antes de nós adoração sacrificial e questões de lei meramente cerimonial. A lei da vida santa contida nos capítulos seguintes (17-22), por outro lado, tem a ver principalmente com questões mais éticas do que cerimoniais, e consiste principalmente em preceitos destinados a regular moralmente os engajamentos e relacionamentos vida cotidiana. O pensamento fundamental dos quatro capítulos é o que é expresso, por exemplo , em Levítico 18: 3.

Israel, redimido por Jeová, é chamado a ser um povo santo; e esta santidade deve se manifestar em total separação dos caminhos dos pagãos. Este princípio é reforçado por vários mandamentos e proibições específicas, que naturalmente têm particular consideração às condições especiais sob as quais Israel foi colocado, como uma nação santa consagrada a Jeová, o único Deus verdadeiro, mas vivendo no meio de nações de idólatras. 

Todo o capítulo 17, com exceção de Levítico 16: 8-9, tem a ver com a aplicação desta lei da vida santa ao uso mesmo de comida legal. Em um primeiro momento, as injunções do capítulo podem parecer mais do que cerimoniais do que da lei moral; mas uma observação mais próxima mostrará que todas as injunções aqui dadas têm referência direta à evitação da idolatria, especialmente em relação à preparação e uso da comida.

Não era suficiente que o verdadeiro israelita se abstivesse dos alimentos proibidos por Deus, como no capítulo 12; ele também deve usar o que foi permitido de uma maneira que agrade a Deus, evitando cuidadosamente até mesmo a aparência de qualquer cumplicidade com a idolatria circundante, ou comunhão com os pagãos em suas modas e costumes profanos. Mesmo assim, para o cristão: não basta que ele se abstenha do que é expressamente proibido; mesmo em seu uso de comida legítima, ele deve usá-la de tal maneira que será para ele um meio de graça, ajudando-o a manter uma caminhada ininterrupta com Deus. 

Notas finais do autor             

→O credito e a referencia da tradução, pertencem a Blive, responsável pela tradução da Bíblia Nestlé 1904, usada como padrão em nossa bíblia comentada.             

→As opiniões e os comentários bíblicos, estão sempre em vermelho, e são escritas por Lucas Ajudarte, teólogo formado, pela Faculdade Nacional de Teologia de São Loureço MG.     

Leia todos os outros comentários de Levítico, e aprenda ainda mais sobre a palavra de Deus.      

Compartilhe essa postagem com seus amigos e familiares, receba Reflexões Cristãs por whatsapp (19)993702148.

Lucas Ajudarte sexta-feira, 14 de dezembro de 2018
O que é a Farmácia de Deus?
A melhor farmácia do mundo feita por Deus

Você já foi em uma farmácia? creio que sim, e ao mesmo tempo já deve ter observado o preço dos remédios, e curiosamente já conhece casos de pessoas que morreram, mesmo tomando remédios caríssimos, a morte é aleatória, Deus quis que fosse assim, mas e se eu te dissesse que essa farmácia que buscamos, não é tão eficiente como a verdadeira farmácia, ou mesmo, não tão eficiente como a primeira farmácia da historia, isto é, a farmácia de Deus, feita pelo próprio Criador, explicaremos sobre essa farmácia nessa matéria.

A primeira farmácia do mundo

Deus criou todas as coisas, entre os seres vivos, e formas diversas que aqui habitam, e nessa terra Deus também criou todas as doenças, ou no minimo as substancias que geram as doenças, nessa mesma perspectiva, o Eterno também criou as condições para cura, portanto afirmo que todas as doenças causadas por meios naturais, possuem curas naturais, onde dentro de nosso próprio ecossistema, estão inseridas componentes que possuem a cura.

Busque pelas perfeitas criações de Deus
Busque pelas perfeitas criações de Deus


O que são as doenças?

As doenças são distúrbios de algumas funções humanas, onde desabilita algum órgão de nosso corpo, elas são causadas segundo a ciência convencional, pelos mais diversos fatores, desde contato com bactérias e vírus, mas mesmo nesses casos, temos que entender, que nosso corpo fica receptivo a essas doenças, porque nosso corpo está vulnerável a elas, seja por faltas de alguma vitamina, ou excesso de algo, portanto todos os seres humanos, possuem acesso a prevenção das doenças, a ponto que podemos ser imunes de todas as doenças.

Como a farmácia de Deus pode ajudar a prevenir doenças?

A farmácia de Deus, é simplesmente o que temos disponível em nosso planeta, tudo gratuitamente, ou no minimo com livre acesso, o Eterno deu todas as coisas, apenas precisamos usufruir de tudo, caso procurarmos, acharemos, citarei três itens, que estão na maioria das vezes, disponíveis em nosso dia a dia que não usamos como deveríamos, com esses usos, poderíamos prevenir as principais doenças, e deixar nossos corpos blindados.

A luz do Sol

Pode parecer uma citação ridícula, inserir o sol como remédio, mas nessa farmácia de Deus, podemos não entender os princípios de todas as coisas, isso porque na ciência convencional, o sol é retratado como o vilão, que "supostamente" causa câncer de pele, por incrível que pareça, o sol não é cientificamente provado, como um causador de câncer, e sim, tudo que é excesso, tende a resultar em doenças, essa é uma perspectiva comum.

O sol é a unica fonte eficiente de Vitamina D, muitas pessoas compram comprimidos, e outros produtos medicinais industrializados, e pagam caro por isso, o que eles esquecem, é que a Vitamina D, é importante para os ossos, e para a própria pele, e tomando esses medicamentos, não existe nenhum beneficio em beber essa vitamina, ou inserir de outra forma senão através da luz, até por essa razão, muitos médicos afirmam que o sol não é a causa real do câncer de pele, e sim as luzes artificiais, isso porque nossa pele, é feita para absorver luz solar, e nutrientes dessa luz, e justamente essas luzes que usamos no dia a dia, não possuem nenhuma vitamina, em especial, a maior causadora de câncer de pele, ossos e outros tipos de câncer, é o flash, esse tipo de luz é forte, e absorvida pela nossa pele, onde causa doenças como o câncer, caso algum ator ou apresentador de TV, que você conheça, tenha morrido por câncer, não surpreenda se eu disser que não é coincidência.

Sol é fonte de vitamina D
Sol é fonte de vitamina D


As luzes usadas em estúdios fotográficos e tvs, são geralmente flash, por essa razão além dos péssimos hábitos alimentares, e de vida, menciono o flash como o vilão principal do câncer de pele e ossos, Deus criou o sol, por uma razão universal, e dessa forma, os seres vivos absorvem energia, nesse contexto, o sol é parte do "motor da vida", talvez o principal item da farmácia de Deus, até por não ser apenas atrelada ao contexto humana e sim de toda a vida animal.

O aterramento humano

Deus é o criador de todas as coisas, e como dizia o hino "A carta", Ele tem sido traído pelo bichinho que criou, somos influenciados por forças ocultas, a modificar o bom, tornando em impuro, contaminável e toxico, o sistema hoje, através da ciência convencional, pede para que não pisemos na terra, e não tenhamos o devido contato com ela.

Mas existe uma perspectiva que devemos levar em conta nessas situações, o nosso corpo, está devido a modernidade, exposto a ondas electromagnéticas a todo estante, por exemplo, sinais de radio, internet, e dos mais diversos tipos, passam pelo nosso corpo, e nem percebemos, mas todas essas variações causam um dano, devemos levar em conta que essa "farmácia" de Deus, apresenta todas as soluções para todos os problemas que podemos alcançar, esses sinais, fazem com que estejamos em sobrecarga, por muito tempo.

Terra pode acabar com tensões
Terra pode acabar com tensões


Caso você more em uma cidade como São Paulo, ou Goiânia, onde tudo já está urbanizado, faço uma pergunta, você pisa, ou toca diretamente na terra diariamente? estamos expostos a cargas elétricas diárias, mas justamente não somos "aterrados", por essas razões, existem diversas pessoas que infartam, ou mesmo vivem a vida estressadas, não é por menos, que pessoas que trabalham em frente a computadores, tem uma rotina estressante, pois estão expostos a carga elétrica todos os dias.

É necessário, ficar no minimo 15 minutos diário, em contato com a terra, de preferencia descalço, para que a carga elétrica seja aterrada, com essa atividade diária, garanto que você irá tornar-se uma pessoa mais calma, e diminuirá seu stress e riscos de infarto.

Os benefícios do consumo da água

Embora hoje em dia nossa água, esteja "toxica" com os produtos e efeitos da poluição, precisamos consumir água, algumas recomendações existem, caso você possua dinheiro para comprar um bom filtro, seria de muito bom valor, ainda sim, tome água, pelo menos 2 a 3 litros diário, o nosso corpo depende da água para trabalhar em perfeita qualidade.

Evite refrigerantes, como a Coca Cola, e sucos industrializados, eles são nocivos, e causar problemas diversos, muitas pessoas consomem muito refrigerante, e não sabem que essa é a razão para doenças como pedra no rim, ulceras, e outros problemas diversos, além da taxa gigantescas de açúcar, e produtos cancerígenos inseridos.

Água é útil na hidratação
Água é útil na hidratação


O ser humano é feito para consumir água e não Coca Cola, pense nisso agora, pois um dia pode ser tarde, para os que lêem essas questões, e já possuem doenças como diabetes, já é tarde, tudo isso poderia ser evitado. Mas isso não impede de divulgar esse conhecimento a familiares e amigos, que podem fazer uso dessas informações.

Eu citei a água, o sol, e a terra, por ser gratuitamente disponível a todos, criaremos mais matérias sobre esse tema, falaremos mais sobre a Farmácia de Deus, apresentando alimentos, e rotinas, que podem prevenir doenças, e solucionar problemas, pense nisso, e trabalhe sobre isso agora, enquanto ainda existe tempo. Caso você já possua uma doença, saiba que dependendo do estagio, ainda pode ter um tratamento natural, tudo disponível na natureza, e de baixo custo e fácil acesso, isso senão, de graça a todos, o que depender de informação, estarei disposto a compartilhar e ajudar a todos.

Compartilhe essa postagem com seus amigos e familiares, receba Reflexões Cristãs por whatsapp (19)993702148.

Lucas Ajudarte quinta-feira, 13 de dezembro de 2018
(Bíblia Comentada - Levítico 16) O grande dia da expiação

Levítico 16 Comentado


Comentários sobre Levítico 16 comentado retratam o grande dia da expiação.

O grande dia da expiação
Comentários de Lev 16


LEV 16:1 E falou o SENHOR a Moisés, depois que morreram os dois filhos de Arão, quando se chegaram diante do SENHOR, e morreram;
LEV 16:2 E o SENHOR disse a Moisés: Dize a Arão teu irmão, que não em todo tempo entre no santuário do véu dentro, diante do propiciatório que está sobre a arca, para que não morra: porque eu aparecerei na nuvem sobre o propiciatório.
LEV 16:3 Com isto entrará Arão no santuário: com um bezerro por expiação, e um carneiro em holocausto.
LEV 16:4 A túnica santa de linho se vestirá, e sobre sua carne terá calções de linho, e se cingirá o cinto de linho; e com a mitra de linho se cobrirá: são as santas vestiduras: com elas, depois de lavar sua carne com água, se há de vestir.
LEV 16:5 E da congregação dos filhos de Israel tomará dois machos de bode para expiação, e um carneiro para holocausto.
LEV 16:6 E fará achegar Arão o bezerro da expiação, que é seu, e fará a reconciliação por si e por sua casa.
LEV 16:7 Depois tomará os dois machos de bode, e os apresentará diante do SENHOR à porta do tabernáculo do testemunho.
LEV 16:8 E lançará sortes Arão sobre os dois machos de bode; uma sorte pelo SENHOR, e a outra sorte por Azazel.
LEV 16:9 E fará achegar Arão o bode macho sobre o qual cair a sorte pelo SENHOR, e o oferecerá em expiação.
LEV 16:10 Mas o bode macho, sobre o qual cair a sorte por Azazel, o apresentará vivo diante do SENHOR, para fazer a reconciliação sobre ele, para enviá-lo a Azazel ao deserto.
LEV 16:11 E fará chegar Arão o bezerro que era seu para expiação, e fará a reconciliação por si e por sua casa, e degolará em expiação o bezerro que é seu.
LEV 16:12 Depois tomará o incensário cheio de brasas de fogo, do altar de diante do SENHOR, e seus punhos cheios do incenso aromático prensado, e o meterá do véu dentro:
LEV 16:13 E porá o incenso sobre o fogo diante do SENHOR, e a nuvem do incenso cobrirá o propiciatório que está sobre o testemunho, e não morrerá.
LEV 16:14 Tomará logo do sangue do bezerro, e espargirá com seu dedo até o propiciatório ao lado oriental: até o propiciatório espargirá sete vezes daquele sangue com seu dedo.
LEV 16:15 Depois degolará em expiação o bode macho, que era do povo, e meterá o sangue dele do véu dentro; e fará de seu sangue como fez do sangue do bezerro, e espargirá sobre o propiciatório e diante do propiciatório:
LEV 16:16 E limpará o santuário, das imundícias dos filhos de Israel, e de suas rebeliões, e de todos os seus pecados: da mesma maneira fará também ao tabernáculo do testemunho, o qual reside entre eles em meio de suas imundícias.

No primeiro verso do capítulo 16, que ordena o cerimonial para o grande dia anual da expiação, nos é dito que essa ordenança foi dada pelo Senhor a Moisés "após a morte do dois filhos de Arão, quando se aproximaram do Senhor e morreram. Por causa da estreita conexão histórica assim declarada entre este capítulo e o capítulo 10, e também porque nesta ordenança a adoração sacrificial mosaica, que tem sido o assunto do livro até agora, encontra seu ponto culminante, parece muito satisfatório antecipar a ordem de o livro, assumindo neste ponto a exposição deste capítulo, antes de prosseguir no capítulo 11 para um assunto completamente diferente.

Esta ordenança do dia da expiação foi talvez a mais importante e característica em toda a legislação mosaica. Na lei das ofertas, a parte mais distinta era a lei da oferta pelo pecado; e foi no grande dia anual de expiação que as concepções incorporadas na oferta pelo pecado obtiveram seu desenvolvimento mais completo. O lugar central que este dia ocupou em todo o sistema dos tempos sagrados é bem ilustrado na medida em que é freqüentemente mencionado pelos rabinos, sem qualquer designação mais precisa, como simplesmente "Yoma", "O Dia". Foi "o dia" porque, neste dia, a idéia de expiação sacrificial e a conseqüente remoção de todo pecado, essencial para a vida de paz e comunhão com Deus, que foi apresentada imperfeitamente, em relação aos indivíduos e à nação, por as ofertas diárias do pecado, recebeu a mais alta expressão simbólica possível. É claro que inúmeros pecados e transgressões e várias contaminações ainda devem ter escapado não reconhecidos como tais, mesmo pelo israelita mais cuidadoso e consciencioso; e que, por essa razão, eles não poderiam ter sido cobertos por nenhuma das ofertas diárias pelo pecado. Portanto, aparte deste pleno, solene, típico purgação e purificação do sacerdócio e da congregação, e do santuário, das impurezas e transgressões dos filhos de Israel, "todos os seus pecados" ( eles não poderiam ter sido cobertos por nenhuma das ofertas diárias pelo pecado. Portanto, aparte deste pleno, solene, típico purgação e purificação do sacerdócio e da congregação, e do santuário, das impurezas e transgressões dos filhos de Israel, "todos os seus pecados" ( eles não poderiam ter sido cobertos por nenhuma das ofertas diárias pelo pecado. Portanto, aparte deste pleno, solene, típico purgação e purificação do sacerdócio e da congregação, e do santuário, das impurezas e transgressões dos filhos de Israel, "todos os seus pecados" (Levítico 16:16 ), o sistema de sacrifício ainda estava aquém de expressar em simbolismo adequado o ideal da remoção completa de todo pecado. Com motivo abundante, os rabinos consideram-no como o dia dos dias do ano sagrado. 

LEV 16:17 E nenhum homem estará no tabernáculo do testemunho quando ele entrar a fazer a reconciliação no santuário, até que ele saia, e haja feito a reconciliação por si, e por sua casa, e por toda a congregação de Israel.
LEV 16:18 E sairá ao altar que está diante do SENHOR, e o expiará; e tomará do sangue do bezerro, e do sangue do bode macho, e porá sobre as pontas do altar ao redor.
LEV 16:19 E espargirá sobre ele do sangue com seu dedo sete vezes, e o limpará, e o santificará das imundícias dos filhos de Israel.
LEV 16:20 E quando houver acabado de expiar o santuário, e o tabernáculo do testemunho, e o altar, fará chegar o bode macho vivo:
LEV 16:21 E porá Arão ambas as mãos suas sobre a cabeça do bode macho vivo, e confessará sobre ele todas as iniquidades dos filhos de Israel, e todas suas rebeliões, e todos os seus pecados, pondo-os assim sobre a cabeça do bode macho, e o enviará ao deserto por meio de um homem destinado para isto.
LEV 16:22 E aquele bode macho levará sobre si todas as iniquidades deles a terra inabitada: e deixará ir o bode macho pelo deserto.
LEV 16:23 Depois virá Arão ao tabernáculo do testemunho, e se desnudará as vestimentas de linho, que havia vestido para entrar no santuário, e as porá ali.
LEV 16:24 Lavará logo sua carne com água no lugar do santuário, e depois de se pôr suas roupas sairá, e fará seu holocausto, e o holocausto do povo, e fará a reconciliação por si e pelo povo.
LEV 16:25 E queimará a gordura da expiação sobre o altar.
LEV 16:26 E o que houver levado o bode macho a Azazel, lavará suas roupas, lavará também com água sua carne, e depois entrará no acampamento.
LEV 16:27 E tirará fora do acampamento o bezerro do pecado, e o bode macho da culpa, o sangue dos quais foi metido para fazer a expiação no santuário; e queimarão no fogo suas peles, e suas carnes, e seu excremento.
LEV 16:28 E o que os queimar, lavará suas roupas, lavará também sua carne com água, e depois entrará no acampamento.
LEV 16:29 E isto tereis por estatuto perpétuo: No mês sétimo, aos dez do mês, afligireis vossas almas, e nenhuma obra fareis, nem o natural nem o estrangeiro que peregrina entre vós:
LEV 16:30 Porque neste dia se vos reconciliará para limpar-vos; e sereis limpos de todos vossos pecados diante do SENHOR.
LEV 16:31 Sábado de repouso é para vós, e afligireis vossas almas, por estatuto perpétuo.
LEV 16:32 E fará a reconciliação o sacerdote que for ungido, e cuja mão houver sido cheia para ser sacerdote em lugar de seu pai; e se vestirá as vestimentas de linho, as vestiduras sagradas:
LEV 16:33 E expiará o santuário santo, e o tabernáculo do testemunho; expiará também o altar, e aos sacerdotes, e a todo o povo da congregação.

É insistido pela crítica radical de nossos dias que o senso geral de pecado e necessidade de expiação que esta ordenança expressa não poderia ter existido nos dias de Moisés; e que, desde então, os livros históricos posteriores do Antigo Testamento não contêm nenhuma referência à observância do dia, portanto sua origem deve ser atribuída aos dias da restauração da Babilônia, quando, como tais críticos, supõem o sentido mais profundo do pecado. , desenvolvido pelo grande julgamento do cativeiro babilônico e do exílio, ocasionou a elaboração desse ritual.

A isto pode-se responder que a objeção repousa sobre uma suposição que o crente cristão não pode admitir, que a ordenança era meramente um produto da mente humana. Mas se, como nosso Senhor ensinou constantemente, e como o capítulo afirma explicitamente, a ordenança era uma questão de revelação divina e sobrenatural, então naturalmente esperamos encontrar nela, não a estimativa do homem da culpa do pecado, mas a de Deus, que em todas as idades é o mesmo. Mas, ao encontrarmos tais objetores em seu próprio terreno, não precisamos entrar mais no assunto do que nos referir à alta autoridade de Dillmann, que declara que essa teoria da origem pós-exiliana dessa instituição é "absolutamente incrível"; e em resposta à objeção de que o dia não é aludido em toda a história do Antigo Testamento,

Novamente, o primeiro verso do capítulo dá como ocasião para a promulgação desta lei "a morte dos dois filhos de Arão", Nadabe e Abiú, "quando se aproximaram do Senhor e morreram"; uma nota histórica que é perfeitamente natural se tivermos aqui uma narrativa datada dos dias mosaicos, mas que parece ser sem objeto e improvável de ter sido inserida, se a lei fosse uma invenção tardia de falsificadores rabínicos. Naquela ocasião, foi como lemos: Lev 5: 2disse o Senhor a Moisés: Dize a Arão, teu irmão, que não entre no santuário sempre dentro do véu, diante do propiciatório que está sobre a arca, para que ele não morra; nuvem sobre o propiciatório ". Neste lugar da manifestação terrena mais imediata de Jeová, até mesmo Aarão deve vir apenas uma vez por ano, e só então com sangue expiatório, conforme adiante indicado. 

O objeto de todo o serviço deste dia é representado como expiação; Expiação do pecado, no mais alto e mais completo sentido possível. É dito que é designado para fazer expiação por Arão e por sua casa ( Levítico 16: 6 ), pelo lugar santo e pela tenda de reunião ( Levítico 16: 15-17 ); para o altar do holocausto no átrio exteriorLevítico 16: 18-19 ); e para toda a congregação de Israel ( Levítico 16: 20-22 , Levítico 16:33 ); e isto, não apenas pelos pecados de ignorância que haviam sido posteriormente reconhecidos e reconhecidos nas ofertas comuns do pecado de cada dia, mas por "todas as iniquidades dos filhos de Israel, e todas as suas transgressões, e até mesmo todos os seus pecados": mesmo Tais como ainda eram desconhecidos para todos, mas Deus ( Levítico 16:21 ). O fato de tal ordenança para tal propósito ensinou uma lição impressionante da santidade de Deus e da pecaminosidade do homem, por um lado, e, por outro, a completa insuficiência das ofertas diárias para purificar de todo pecado. Dia a dia estes foram oferecidos em cada ano; e, no entanto, como lemos, {Hebreus 9: 8-9}o Espírito Santo isso significa por esta ordenança, "que o caminho para o lugar santo ainda não foi manifestado"; era "uma parábola para o tempo presente"; ensinando que os sacrifícios do judaísmo no templo não poderiam "tocar a consciência, tornar o adorador perfeito". {Hebreus 9: 9} Podemos reverter o julgamento dos críticos, e dizer não que o sentido aprofundado do pecado em Israel foi a causa do dia da expiação; mas sim que as observâncias solenes deste dia, sob Deus, foram feitas para muitos em Israel um meio mais eficaz para aprofundar a convicção do pecado.


LEV 16:34 E isto tereis por estatuto perpétuo, para expiar aos filhos de Israel de todos os seus pecados uma vez no ano. E Moisés o fez como o SENHOR lhe mandou.

O tempo que foi ordenado para essa observância anual é significativo - o décimo dia do sétimo mês. Foi designado para o sétimo mês, como o mês sabático, no qual todas as idéias relacionadas de descanso em Deus e com Deus, no desfrute das bênçãos de uma redenção agora completa, recebiam na grande festa dos tabernáculos sua expressão mais completa. Foi, portanto, designado para aquele mês, e para um dia que logo precedeu a maior das festas anuais, para significar em tipo a verdade profunda e vital, que a alegria completa do descanso sabático do homem com Deus, e a colheita de os frutos da redenção completa só são possíveis mediante a condição de arrependimento e a expiação mais completa possível pelo pecado. Foi nomeado para o décimo dia deste mês, sem dúvida, porque no simbolismo das Escrituras o número dez é o símbolo da completude; e foi apropriadamente assim conectado com um serviço que significava expiação concluída pelos pecados do ano.

As observâncias designadas para o dia tinham em primeiro lugar respeito ao povo e, em segundo lugar, ao serviço do tabernáculo. Quanto ao primeiro, foi ordenado ( Levítico 16:29 ) que eles "não fizessem nenhum tipo de trabalho", observando o dia como um sábado Sabbathon, "um alto sábado", ou "sábado de descanso solene" ( Levítico 16). : 31 ); e, em segundo lugar, que eles deveriam "afligir suas almas" ( Levítico 16:30).), nomeadamente, pelo jejum solene, em sinal visível de tristeza e humilhação pelo pecado. Por que foi mais claramente ensinado, que qualquer expiação completa pode ser, e de qualquer forma, em fazer essa expiação por meio de uma vítima sacrificial, o próprio pecador não tem parte, mas aparte de seu arrependimento pessoal por seus pecados, que a expiação não lhe trará nada. ; nay, foi declarado, {Levítico 23:29} que se alguém falhar neste ponto, Deus o cortará do seu povo. A lei permanece no que diz respeito ao maior sacrifício de Cristo; a não ser que nos arrependamos, devemos, até mesmo por causa desse sacrifício, apenas o mais terrivelmente perecer; porque nem mesmo essa suprema exposição do santo amor e justiça de Deus nos moveu a renunciar ao pecado.

Quanto ao serviço do tabernáculo do dia, a ordem era a seguinte. Primeiro, como mais distintivo do ritual do dia, somente o sumo sacerdote podia oficiar. Os outros sacerdotes, que em outras ocasiões serviram continuamente no lugar santo, devem, neste dia, durante estas cerimônias, deixar isso para ele; tomando o seu lugar, eles mesmos como pecadores para quem também a expiação devia ser feita, com a congregação pecaminosa de seus irmãos. Pois foi ordenado ( Levítico 16:17 ): "Não haverá homem algum na tenda da congregação quando o sumo sacerdote entrar para fazer expiação no lugar santo, até que ele saia", e a obra da expiação seja completada. 

Notas finais do autor            

→O credito e a referencia da tradução, pertencem a Blive, responsável pela tradução da Bíblia Nestlé 1904, usada como padrão em nossa bíblia comentada.            

→As opiniões e os comentários bíblicos, estão sempre em vermelho, e são escritas por Lucas Ajudarte, teólogo formado, pela Faculdade Nacional de Teologia de São Loureço MG.    

Leia todos os outros comentários de Levítico, e aprenda ainda mais sobre a palavra de Deus.      

Compartilhe essa postagem com seus amigos e familiares, receba Reflexões Cristãs por whatsapp (19)993702148 

Lucas Ajudarte quarta-feira, 12 de dezembro de 2018
Papa anuncia Ecumenismo e Nova Ordem Mundial

Papa e a Nova ordem mundial


" Ecumenismo, representa a união de todas as religiões em pró de um único fim, esse movimento que tem como objetivo unir todas as religiões cristãs afim de criar uma nova era mundial."
​​
O Papa Bento XVI disse certa vez: 
Não importa que as igrejas deixem á igreja católica pois a igreja católica é a mãe de todas as igrejas.

O papa Francisco assim como outros papas, fez uma afirmação: "Não importa se for protestante ou católico, pois somos unidos pelo mesmo batismo e pelo mesmo deus trino".

Papa-em-igreja-luterana
Papa em igreja luterana

Um ponto de partida para o ecumenismo é o que une dois diferentes, e a fé comum que une tanto protestantes (evangélicos) e católicos é sem duvida o mesmo deus (trindade), baseado nisso um inicio de uma união é sim possível, ao menos segundo o ponto de vista católico.

Certa vez uma conferencia entre a Assembleia de Deus e o Papa foi recebido com louvor entre os evangélicos em uma congregação nos Estados Unidos, ao aparecer a imagem do líder católico, houve grande avivamento e grande parte dos presentes começaram a falar em línguas estranhas e houve muita manifestação de fé no local.

Esse fato já foi citado em: Ecumenismo e a nova ordem mundial.

O movimento ecumenismo é aceito pela grande maioria dos pastores protestantes e padres católicos na Europa, eles afirmam que devem se agarrar as semelhanças e não as diferenças, sendo essas semelhanças o deus Trino e o batismo, afim de trazer a nova era e uma nova ordem mundial.

O Brasil ainda assiste o movimento ecumenista de forma tímida, durante sua visita ao Brasil, o Papa Francisco, chegou realizar uma parada em São Paulo, onde manifestou o interesse em visitar uma Assembleia de Deus na capital paulista, onde ele conversou com lideres e adeptos locais, existe um movimento ecumenista nas igrejas brasileiras, ainda lento e cuidadoso, mas eles estão aos poucos desenvolvendo um terreno para isso. Ainda que possa parecer vago, o púlpito de igrejas evangélicas são liberados para uso de políticos católicos em época de eleições, e o próprio pastor assembleiano, Claudio Duarte, chegou a pregar em uma igreja católica.

O também pregador assembleiano Marcos Feliciano, tem uma rotina bem amigável, e uma proximidade muito grande com diversos grupos não evangélicos, desde católicos, até membros da maçonaria, onde o mesmo já participou algumas vezes do movimento "Avança Brasil Maçom", durante as eleições de 2018, a bancada evangélica, fez uma aliança muito forte com a igreja católica, para confrontar seus opositores, em especial as frentes comunistas.

O que a bíblia nos diz sobre Ecumenismo?


Em primeiro lugar, a bíblia não diria muito sobre o assunto, isto é o porque uma igreja deve unir-se a outras, o motivo é bem simples, porque a bíblia simplesmente não ensina esse modelo templocentrismo, onde um grupo de pessoas, adotam um modelo sacerdotal, o sacerdócio foi extinto, isso porque Jesus foi o sumo sacerdote (Heb 8.1).

A bíblia também não ensina para os cristãos dessa ultima era, a buscar em templos de pedras, hoje esses homens, estão mais firmes no esforço da manutenção de sua religião, além de poder politico e financeiro, do que na própria mensagem do evangelho, vemos muito isso no Brasil, onde recomendo a todos tirarem alguns minutos do seu tempo, para assistir os programas de Silas Malafaia, Valdomiro Santiago, e também os da Igreja Universal, onde são expostos as claras, Silas Malafaia por exemplo, faz de seu programa, uma pregação sobre politica, Valdomiro apenas pede dinheiro para poder manter o programa, por fim seu programa acaba sendo usado unicamente para esse fim.

Movimentos livres religiosos, que aceitam adeptos de qualquer tipo de fé, como a maçonaria, também ajudam essas aproximações, onde trazem a união para causas de interesses comuns, para você, o que acha do ecumenismo, é favorável?


Compartilhe essa postagem com seus amigos e familiares, receba Reflexões Cristãs por whatsapp (19)993702148.

Lucas Ajudarte terça-feira, 11 de dezembro de 2018
(Bíblia Comentada - Levítico 15) Regulamentos e Princípios

Levítico 15 Comentado


Comentários a cerca da impureza, Levítico 15 mostra os regulamentos e seus princípios.

Regulamentos-e-princípios
Regulamentos e princípios


LEV 15:1 E falou o SENHOR a Moisés e a Arão, dizendo:
LEV 15:2 Falai aos filhos de Israel, e dizei-lhes: Qualquer homem, quando seu corrimento sair de sua carne, será impuro.
LEV 15:3 E esta será sua impureza em seu fluxo; seja que sua carne derramou por causa de seu fluxo, ou que sua carne se obstruiu por causa de seu fluxo, ele será impuro.
LEV 15:4 Toda cama em que se deitar o que tiver fluxo, será impura; e toda coisa sobre que se sentar, impura será.
LEV 15:5 E qualquer um que tocar em sua cama, lavará suas roupas; lavará também a si mesmo com água, e será impuro até à tarde.
LEV 15:6 E o que se sentar sobre aquilo em que se houver sentado o que tem fluxo, lavará suas roupas, se lavará também a si mesmo com água, e será impuro até à tarde.
LEV 15:7 Também o que tocar a carne do que tem fluxo, lavará suas roupas, e a si mesmo se lavará com água, e será impuro até à tarde.
LEV 15:8 E se o que tem fluxo cuspir sobre o limpo, este lavará suas roupas, e depois de haver-se lavado com água, será impuro até à tarde.
LEV 15:9 E toda sela sobre que cavalgar o que tiver fluxo, será impura.

 Como a lei concernente à contaminação das questões é pressuposta e mencionada no concernente à corrupção do parto, no capítulo 12, será bom considerar isto antes da última. Para esta ordem há mais razão, porque, como parecerá, embora as duas seções estejam separadas, no arranjo atual do livro, pela lei concernente à contaminação pela lepra ( Levítico 13: 1-59 ; Levítico 14: 1- 57 ), ambos se referem ao mesmo tópico geral, e são baseados nas mesmas concepções morais. O arranjo da lei em Levítico 15: 1-33 é muito simples. Levítico 15: 2-18

lidar com os casos de corrupção cerimonial por questões em homens; Levítico 15: 19-30 , com casos análogos em mulheres. O princípio em ambas as classes é o mesmo; a questão, seja normal ou anormal, tornava a pessoa afetada impura; apenas, quando anormal, a contaminação era considerada mais grave do que em outros casos, não apenas em aspectos físicos, mas também cerimoniais e legais. Em todos esses casos, além da lavagem com água que era sempre necessária, foi ordenado que no oitavo dia, a partir do momento em que cessasse a questão, a pessoa que tivesse sido afetada desse modo viesse à presença do sacerdote e apresen- a sua purificação é oferta pelo pecado e holocausto. 

Qual é agora o princípio subjacente a estes regulamentos?


LEV 15:10 E qualquer um que tocar qualquer coisa que tenha estado debaixo dele, será impuro até à tarde; e o que a levar, lavará suas roupas, e depois de lavar-se com água, será impuro até à tarde.
LEV 15:11 E todo aquele a quem tocar o que tem fluxo, e não lavar com água suas mãos, lavará suas roupas, e a si mesmo se lavará com água, e será impuro até à tarde.
LEV 15:12 E a vasilha de barro em que tocar o que tem fluxo, será quebrada; e toda vasilha de madeira será lavada com água.
LEV 15:13 E quando se houver limpado de seu fluxo o que tem fluxo, se há de contar sete dias desde sua purificação, e lavará suas roupas, e lavará sua carne em águas vivas, e será limpo.
LEV 15:14 E no oitavo dia tomará duas rolinhas, ou dois pombinhos, e virá diante do SENHOR à porta do tabernáculo do testemunho, e os dará ao sacerdote:
LEV 15:15 E os fará o sacerdote, uma oferta pelo pecado, e o outro holocausto: e lhe purificará o sacerdote de seu fluxo diante do SENHOR.
LEV 15:16 E o homem, quando dele sair derramamento seminal, lavará em águas toda sua carne, e será impuro até à tarde.
LEV 15:17 E toda vestimenta, ou toda pele sobre a qual houver o derramamento seminal, lavará com água, e será impura até à tarde.
LEV 15:18 E a mulher com quem o homem tiver ajuntamento seminal, ambos se lavarão com água, e serão impuros até à tarde.
LEV 15:19 E quando a mulher tiver fluxo de sangue, e seu fluxo for em sua carne, sete dias estará separada; e qualquer um que tocar nela, será impuro até à tarde.

Para ver a razão disso, devemos recorrer a fatos que já vieram antes de nós. Quando nossos primeiros pais pecaram, a morte foi denunciada contra eles como a penalidade de seus pecados. Tal tinha sido a ameaça: "No dia em que dela comeres, tu morrerás". A morte denunciada realmente afetou todo o ser, tanto a natureza espiritual como física do homem; mas compreendeu a morte do corpo, que assim se tornou, o que ainda é, a mais impressionante manifestação da presença do pecado em cada pessoa que morre. Por isso, como vimos, a lei manteve esta ligação entre o pecado e a morte constantemente diante da mente, na medida em que aplicava constantemente o princípio que os mortos contaminam. Não apenas isso, mas, por essa razão, coisas que tendiam a trazer a morte também eram consideradas impuras; e, assim, os regulamentos da lei relativos a carnes limpas e impuras, embora de caráter estritamente higiênico, ainda estavam fundamentados nesse profundo fato ético da conexão entre o pecado e a morte; se o homem não tivesse pecado, nada no mundo seria capaz de trazer a morte, e todas as coisas tinham sido limpas. Pela mesma razão, novamente, a lepra, como exemplificando de maneira vívida e terrível a doença como uma morte progressiva, uma manifestação viva da presença da maldição de Deus e, portanto, da presença do pecado, um tipo de toda doença, foi considerado como envolvendo impureza cerimonial e, portanto, como exigindo limpeza sacrificial. e todas as coisas estavam limpas. Pela mesma razão, novamente, a lepra, como exemplificando de maneira vívida e terrível a doença como uma morte progressiva, uma manifestação viva da presença da maldição de Deus e, portanto, da presença do pecado, um tipo de toda doença, foi considerado como envolvendo impureza cerimonial e, portanto, como exigindo limpeza sacrificial. e todas as coisas estavam limpas. Pela mesma razão, novamente, a lepra, como exemplificando de maneira vívida e terrível a doença como uma morte progressiva, uma manifestação viva da presença da maldição de Deus e, portanto, da presença do pecado, um tipo de toda doença, foi considerado como envolvendo impureza cerimonial e, portanto, como exigindo limpeza sacrificial.

Mas a maldição denunciada aos nossos primeiros pais era ainda mais. Foi especialmente ensinado que a maldição deveria afetar o poder gerativo da raça. Pois nós lemos: Gênesis 3:16: "À mulher que ele disse multiplicarei grandemente a tua tristeza e a tua concepção; na tristeza trarás à luz filhos." O que quer que essas palavras possam significar precisamente, é claro que elas pretendem ensinar que, por causa do pecado, a maldição de Deus caiu de algum modo misterioso sobre a organização sexual. E embora a mulher só seja especificamente mencionada, como sendo "a primeira na transgressão", que a maldição caiu também sobre a mesma parte da natureza do homem é clara a partir das palavras em Gênesis 5: 3., onde o longo registro mortuário dos antediluvianos é introduzido pela afirmação profundamente significativa de que Adão começou a longa linhagem, com sua herança de morte, gerando um filho "à sua própria semelhança, depois de sua imagem". Caiu sob a maldição da morte, física e espiritual, com isso perdeu a capacidade de gerar uma criatura como ele em seu estado original, à imagem de Deus, e só poderia ser o meio de trazer ao mundo uma criatura que fosse um herdeiro da fraqueza física e da morte espiritual e corporal.

LEV 15:20 E tudo aquilo sobre que ela se deitar durante sua separação, será impuro: também tudo aquilo sobre que se sentar, será impuro.
LEV 15:21 E qualquer um que tocar a sua cama, lavará suas roupas, e depois de lavar-se com água, será impuro até à tarde.
LEV 15:22 Também qualquer um que tocar qualquer móvel sobre que ela se houver sentado, lavará suas roupas; lavará logo a si mesmo com água, e será impuro até à tarde.
LEV 15:23 E se estiver sobre a cama, ou sobre a cadeira em que ela se houver sentado, o que tocar nela será impuro até à tarde.
LEV 15:24 E se alguém dormir com ela, e sua menstruação for sobre ele, será impuro por sete dias; e toda cama sobre que dormir, será impura.
LEV 15:25 E a mulher, quando seguir o fluxo de seu sangue por muitos dias fora do tempo de seu costume, ou quando tiver fluxo de sangue mais de seu costume; todo o tempo do fluxo de seu imundícia, será impura como nos dias de seu costume.
LEV 15:26 Toda cama em que dormir todo o tempo de seu fluxo, lhe será como a cama de seu costume; e todo móvel sobre que se sentar, será impuro, como a impureza de seu costume.
LEV 15:27 Qualquer um que tocar em essas coisas será impuro; e lavará suas roupas, e a si mesmo se lavará com água, e será impuro até à tarde.
LEV 15:28 E quando for livre de seu fluxo, se há de contar sete dias, e depois será limpa.
LEV 15:29 E o oitavo dia tomará consigo duas rolinhas, ou dois pombinhos, e os trará ao sacerdote, à porta do tabernáculo do testemunho:
LEV 15:30 E o sacerdote fará um oferta pelo pecado, e o outro holocausto; e a purificará o sacerdote diante do SENHOR do fluxo de sua impureza.
LEV 15:31 Assim separareis os filhos de Israel de suas imundícias, a fim de que não morram por suas imundícias, contaminando meu tabernáculo que está entre eles.
LEV 15:32 Esta é a lei do que tem fluxo, e do que sai derramamento seminal, vindo a ser impuro por causa disso;
LEV 15:33 E da que padece seu costume, e acerca do que tiver fluxo, seja homem ou fêmea, e do homem que dormir com mulher impura.

À luz desse registro antigo, que deve ter sido antes da mente do legislador hebraico, podemos ver agora por que a lei referente a questões impuras deveria ter relação especial com a parte da organização física do homem que tem a ver com a propagação da lei. a corrida. Assim como a morte se corrompeu, porque era uma representação visível da presença da maldição de Deus e, portanto, do pecado, como a base da maldição, assim foi com todas as questões especificadas nesta lei. Eles foram considerados como fazendo um homem imundo, porque eles eram manifestações da maldição em uma parte da natureza do homem que, de acordo com a Palavra de Deus, o pecado afetou especialmente. Por essa razão, eles caíram sob a mesma lei da morte. Eles separaram a pessoa assim afetada da congregação, e o excluíram da adoração pública de um Deus santo, como o fazendo "

É impossível agora perder o significado espiritual dessas leis em relação às questões dessa classe. Na medida em que estes, de muitos outros que, do ponto de vista meramente físico, são igualmente ofensivos, foram tomados sob o conhecimento desta lei, o fato foi, assim, enfatizado simbolicamente que a fonte da vida no homem é corrompida. Ser pecador já era ruim o bastante, se envolvesse apenas a prática voluntária e habitual do pecado. Mas esta lei das questões nos testifica, mesmo agora, que, como Deus vê o caso do homem, é muito pior do que isso. O mal do pecado está tão profundamente assentado que não poderia estar mais profundo. A maldição caiu dessa maneira em nosso ser, assim como no homem e na mulher os poderes e faculdades que dizem respeito à propagação de sua espécie caíram sob a praga. Tudo o que qualquer filho de Adão pode fazer agora é gerar um filho em sua própria imagem física e moral, um herdeiro da morte e, por natureza, impuro e profano. Suficientemente desagradável esta verdade é em todas as idades; mas em nenhum talvez mais do que o nosso, em que se tornou um postulado fundamental da teologia popular, e da política popular, que o homem não é naturalmente mau, mas bom, e, no geral, está fazendo o mesmo. bem como sob a lei da evolução, e considerando seu ambiente, pode ser razoavelmente esperado. O princípio espiritual que fundamenta a lei concernente à contaminação por questões, como também aquela concernente à impureza da criança, assume o exato oposto. em que se tornou um postulado fundamental da teologia popular, e da política popular, que o homem não é naturalmente mau, mas bom, e, no geral, está se dando bem sob a lei da evolução, e considerando sua ambiente, pode ser razoavelmente esperado. O princípio espiritual que fundamenta a lei concernente à contaminação por questões, como também aquela concernente à impureza da criança, assume o exato oposto. em que se tornou um postulado fundamental da teologia popular, e da política popular, que o homem não é naturalmente mau, mas bom, e, no geral, está se dando bem sob a lei da evolução, e considerando sua ambiente, pode ser razoavelmente esperado. O princípio espiritual que fundamenta a lei concernente à contaminação por questões, como também aquela concernente à impureza da criança, assume o exato oposto.

É verdade que causas semelhantes de impureza cerimonial foram reconhecidas nos tempos antigos e modernos, entre muitos outros povos. Mas isso não é objeção à verdade da interpretação da lei mosaica aqui dada. Pois, na medida em que haja um acordo genuíno, o fato pode confirmar mais do que enfraquecer o argumento para essa visão do caso, como mostrar que há um instinto inerradicável no coração do homem que conecta tudo o que direta ou indiretamente tem a ver com a continuação de nossa raça, em um grau peculiar, com as idéias de impureza e vergonha. E, por outro lado, as diferenças em tais casos da lei mosaica nos mostram exatamente o que deveríamos esperar - um grau de confusão moral e um enfraquecimento do senso moral entre as nações pagãs, o que é mais significativo. Como foi justamente comentado, o hindu tem uma lei sobre esse assunto para o brâmane, outra para os outros; os rejeitados por algum pecado mortal, muitas vezes de natureza puramente frívola, e um filho recém-nascido, são considerados igualmente impuros. Ou, tomar o caso de um povo contemporâneo com os hebreus, entre os antigos caldeus, enquanto estes mesmos assuntos foram considerados cerimonialmente profanadores, como na lei de Moisés, com estes também foram considerados na mesma categoria, como impuros, tudo o que era separado do corpo, até as mudas do cabelo e as aparas das unhas. Evidentemente, temos aqui, não semelhança, mas um contraste moral profundo e sugestivo entre a lei caldéia e a lei hebraica. Da profunda verdade ética que vitaliza e dá significado profundo à lei de Moisés, não encontramos vestígio no outro sistema. E não é de admirar se, de fato, a única lei é,

É outra lição moral que é trazida diante de nós nessas leis que, como Deus olha para o assunto, o pecado não diz respeito apenas à ação, mas também ao ser. Não apenas ações, das quais podemos nos abster, mas operações da natureza que não podemos ajudar, também contaminam; contaminam de tal maneira e grau que requerem, como atos voluntários de pecado, a purificação da água e o sangue expiatório de uma oferta pelo pecado. Não se pode evitar muitas das impurezas mencionadas neste capítulo, mas isso não faz diferença; ele era imundo. Para os graus menores de impureza, bastava purificar-se lavando-se com água; e uma oferta pelo pecado só era necessária quando essa purificação foi negligenciada; mas em todos os casos em que a impureza assumiu sua forma extrema, a oferta pelo pecado e o holocausto devem ser trazidos, e ser oferecido para a pessoa imunda pelo sacerdote. É assim, somos ensinados, com aquele pecado da natureza que esses casos simbolizavam; nós não podemos ajudá-lo, e ainda a lavagem da regeneração e a purificação do sangue de Cristo é necessária para a sua remoção. Muito impressionante em seu ensino agora se torna o milagre em que nosso Senhor curou a pobre mulher aflita com a questão do sangue,{5: 25-34 de março} para o qual ela procurou em vão a cura. Foi um caso como aquele coberto pela lei em Levítico 15: 25-27.; e aquele que ler e considerar as provisões daquela lei entenderá, como de outra forma não poderia, quão grande sua provação e quão pesada sua carga deve ter sido. Ele se perguntará também, como nunca antes, a ousadia de sua fé, que, embora, de acordo com a lei, seu toque devesse corromper o Senhor, ainda assim se aventurou a acreditar que não apenas isso não deveria ser assim, mas que o poder de cura que saiu dEle deveria neutralizar a contaminação e levar a virtude curadora ao centro de sua vida. Assim, se outros milagres representam o nosso Senhor como o encontro com o mal do pecado em suas várias manifestações em ação, esse milagre representa Seu poder de cura como alcançar a própria fonte e fonte da vida, onde não é necessário menos.

A lei relativa à remoção dessas impurezas, depois de tudo o que foi precedido, admitirá apenas uma interpretação. A lavagem da água é o símbolo uniforme da purificação da alma da poluição pelo poder do Espírito Santo; os sacrifícios apontam para o sacrifício de Cristo, em seu duplo aspecto como holocausto e oferta pelo pecado, conforme requerido e aproveitando a remoção da contaminação pecaminosa que, na mente de Deus, atribui mesmo àquela da natureza humana que não é sob o controle da vontade. Ao mesmo tempo, enquanto em todos esses casos a oferta pelo pecado prescrita é a menor conhecida pela lei, ela é simbolizada, em pleno acordo com o ensinamento da consciência, que a gravidade da contaminação, onde não houve a concordância ativa da vontade, é menor do que onde a vontade tem secundado a natureza. Em todos os casos de contaminação prolongada dessas fontes, era necessário que a pessoa afetada ainda fosse considerada impura por sete dias após a cessação da enfermidade, e no oitavo dia veio a purificação do sacrifício. O significado dos sete como o número da aliança, o número também em que foi concluída a velha criação, já foi antes de nós: o do "oitavo" será melhor em conexão com as disposições do capítulo 12, ao qual iremos nossa atenção.

A lei deste capítulo tem um encerramento formal, no qual são usadas estas palavras ( Levítico 15:31 ): "Assim separareis os filhos de Israel das suas imundícias, para que não morram na sua imundícia, quando contaminam o meu tabernáculo que está no meio deles ".

Do qual o significado natural é este, que as impurezas mencionadas, como sinais conspícuos da condição decaída do homem, eram tão ofensivas diante de um Deus santo, como à parte dessas purificações para ter chamado o julgamento da morte sobre aqueles em quem foram encontrados. Nestas palavras está também o pensamento espiritual mais profundo - se nós corretamente apreendemos a importação simbólica destes regulamentos - que não apenas, como em casos anteriores mencionados sob a lei das ofertas, atos voluntários de pecado separados de Deus e se não formos chamados por chamada. abaixo seu julgamento, mas que mesmo nossas enfermidades e os movimentos involuntários do pecado em nossa natureza têm o mesmo efeito, e, além da purificação do Espírito Santo e do sangue do Senhor Jesus Cristo, asseguram o julgamento final da morte.

Notas finais do autor           

→O credito e a referencia da tradução, pertencem a Blive, responsável pela tradução da Bíblia Nestlé 1904, usada como padrão em nossa bíblia comentada.           

→As opiniões e os comentários bíblicos, estão sempre em vermelho, e são escritas por Lucas Ajudarte, teólogo formado, pela Faculdade Nacional de Teologia de São Loureço MG.   

Leia todos os outros comentários de Levítico, e aprenda ainda mais sobre a palavra de Deus.     

Compartilhe essa postagem com seus amigos e familiares, receba Reflexões Cristãs por whatsapp (19)993702148

Lucas Ajudarte sábado, 8 de dezembro de 2018
Estudo bíblico sobre o Plural Majestático

"Façamos, Desçamos e Confundamos"

​​
A Bíblia é sem duvida o livro mais importante de todos, não é por menos que sempre é o livro mais vendido em todos os anos e existem centenas de versões diferentes para um mesmo livro que nos apresenta 6000 anos de historia, segundo a tradição judaica.

Plural-Majestático
Plural Majestático


Logo ao começar a leitura da Bíblia encontramos o livro de Gênesis, no qual narra a criação do homem, a queda dos anjos, a origem do pecado e alem da formação do povo de Israel e o cativeiro no Egito.

Originado a partir de teólogos católicos, já na Idade Media, os termos "façamos" (Gênesis 1.26) "desçamos" e "confundamos" (Gênesis 11:7-9) passarão a serem usados pelas correntes trinitárias e dualistas para a "prova de pluralidade na divindade". Sobre isso, também recomentados a leitura de a origem e desenvolvimento da trindade.

No entanto todos os principais comentaristas bíblicos e especialistas no hebraico clássico afirmam que as passagens não estão associadas a uma conversa entre pessoas da divindade, tanto na literatura bíblica como também na literatura apócrifa, nada relacionado a pessoas em uma divindade é mencionado. Exceto em textos de origens duvidosos seculos depois da era apostólica.

Alguns fatos que devem ser levados em conta, relacionado ao assunto, entendendo que a natureza de Deus, é algo muito abrangente, não podemos simplesmente criar doutrinas e deduções. Vejamos os fatos sobre o uso de façamos, desçamos e confundamos:

- #01 - O fato das passagens serem utilizada em pluralidade não significa numero exato de pessoas, sendo assim, poderia se tratar de 2, 3 ,4 ou mais pessoas numa conversa, e em nenhuma das passagens nos diz, com quem Deus falava, nada mais relacionado a conversa é mencionado na bíblia, e o mais importante, não observamos um dialogo, onde um "diz" e o outro "responde", sendo assim, qualquer coisa que seja afirmada, sobre a natureza dessa conversa, é teoria.

- #02 - Com um estudo cuidadoso no livro de Gênesis, é possível ver uma ação próxima de Deus com os anjos Querubins. O livro de Gênesis em si, é referencia para os estudos relacionados a angeologia, onde existem dezenas de passagens, que podem ser associadas a esses seres, que estão ligados diretamente as execuções dos planos de Deus.

- #03 - É interessante notarmos também que a execução de algumas dessas medidas se davam por meio dos anjos - Gên 18. 21; 19. 1; Êxo 3. 7- 8 compare com 14. 19; Gên 3. 24; Sal 91. 11; 103. 20. ou seja Deus usava os anjos ativamente e não apenas para deixa-los de enfeite.

- #04 - Além disso, os verbos plurais "façamos" e "desçamos" em Gênesis 1. 26 e 11. 7 tratam-se de verbos conotativos, ou seja, "O conotativo é o volitivo da primeira pessoa. Pode expressar a manifestação da vontade da pessoa que fala, ou um apelo à vontade de outra (s) pessoa (s) com quem ela se identifica ou associa."

Estudo relacionado: Jesus a teofania de Deus.

Baseado nisso só se pode afirmar-se que em Gênesis, Deus só poderia estar falando com os anjos, ou mesmo sozinho e nem de longe uma conversa "entre suposta pessoas de uma divindade"

Que a paz que excede todo o entendimento esteja com todos. Temos diversos estudos relacionados a divindade, onde usamos como referencia o ensino da Unicidade de Deus.


Compartilhe essa postagem com seus amigos e familiares, receba Reflexões Cristãs por whatsapp (19)993702148.

Lucas Ajudarte sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

Patrocinado

Conteúdos correspondentes