O verdadeiro Big Brother Brasil

Resenha do livro: 1984 por George Orwell


No mundo inteiro existem programas e competições de TV conhecidas como Big Brother, inclusive a TV Globo transmite anualmente no Brasil, e sempre o programa consegue ser campeão de audiência com grande popularidade, pois bem, o que irei apresentar agora, é o livro de George Orwell, de 1984, estarei citando como base um especialista renomado nos Estados Unidos no ramo de psicologia e o mesmo nos transmite informações tenebrosas sobre o tema, se você é um cético, não importa quanta informação você receba, simplesmente nada mudará, mas se você tiver a mente aberta, estará sempre a procura da verdade.

O verdadeiro Big Brother Brasil (É diabólico e não é sina de pentecostal)
Temos alguém nos espionando

Após alguns de  uma tentativa inicial de ler o 1984 de George Orwell, completei o livro. Foi fascinante e um desafio para a minha alma. É um livro que fica com você e remodela sua visão da realidade, do eu, poder e liberdade. Menos de 24 horas depois de ler o livro, aqui estão minhas reações iniciais:

O Grande Irmão está observando você


Uma das visões mais popularizadas de George Orwell em 1984 é a de que as telas nos escutam e nos vigiam em nossas casas, no trabalho e até mesmo na floresta. O Big Brother está sempre te observando, e ele te lembra a cada passo.

Este sonho distópico de vigilância tecnológica se tornou realidade em uma realização mais efetiva: os telefones celulares. Mais avançados que as telas de Orwell, os celulares são compactos, equipados com microfones, GPS, câmeras e sensores biométricos. E nós de bom grado e ansiosamente levá-los conosco em todos os lugares que vamos.

Os dados, sua vida, são enviados para armazéns de dados pertencentes a algumas corporações monolíticas que detêm o monopólio de nossos dados. O que são esses dados? São nossos pensamentos e ações em um só lugar. Como os dados são centralizados, será mais fácil policiar. Como isso é policiado, então depende de nós como cidadãos.

Enquanto lia, encontrei-me cobrindo as câmeras do meu telefone como um perpetrador paranoico do crime de pensamento. Essa paranoia não é necessariamente infundada. Um dos exemplos vivos mais próximos do Big Brother, Mark Zuckerberg, cobre sua câmera portátil

Sugiro uma revisão completa do acesso que você permite a aplicativos, como o Facebook, para o seu telefone. O aplicativo de lanterna realmente precisa de acesso ao seu microfone?

O verdadeiro Big Brother Brasil (É diabólico e não é sina de pentecostal)1
Facebook e escândalo de dados

Pontapé totalitário


Nestes tempos histéricos, parece que somos um clamor reacionário, induzido pelo medo, dos cidadãos, longe de exigir que as empresas acumulem dados para abrir suas bases de dados às autoridades, a fim de rastrear e impedir que futuros crimes aconteçam. Veja exemplos recentes do FBI e da Apple flertando com a cooperação após o massacre de San Bernadino e Sutherland, na Igreja do Texas, tem também as chacinas no Brasil, muito comum em regiões do Rio de Janeiro, o governo Brasileiro e a policias locais possuem fácil acesso a varias mídias. Os telefones contêm nossas vidas e, se sabemos os padrões de um assassino em massa, deveríamos permitir o policiamento de nossos pensamentos e a prevenção do crime antes que isso aconteça? Deveria haver uma punição por pensar um crime sem agir como crime?

Adaptação do livro


Externalizando o Pai


Cada vez que clamamos por alguém que não seja nós mesmos para fazer alguma coisa, estamos chamando o Pai, ou o Grande Irmão, para nos salvar.

Considere a Necrocracia da Coréia do Norte como um exemplo vivo. A adoração de qualquer líder, de Steve Jobs ao papa a Maomé, mostra nossa necessidade de exteriorizar um Pai, e nossa reação rápida para alguém, qualquer um que não seja nós mesmos, fazer algo sobre nossos medos após uma tragédia ressalta um risco para nosso futuro. liberdade. A liberdade é dolorosa e, se não a queremos, devemos aprender as consequências de não ter a opção.

Em 1984, o Big Brother não é uma pessoa. O Big Brother é uma metáfora para um sistema centralizado de poder, com um líder-ídolo à frente.

Com medo, se acreditamos que não podemos nos proteger, então, devemos permitir que o Big Brother nossos corpos e mentes, a fim de estarmos a salvo dos ataques dos invasores invisíveis.

Para parar os avanços do Big Brother, precisamos praticar a auto-suficiência, nos mover através do medo e nos apropriar de nós mesmos e de nossas comunidades.


Citações e interpretações memoráveis ​​de 1984:


No sexo

“Não foi apenas porque o instinto sexual criou um mundo próprio que estava fora do controle do Partido e que, portanto, tinha que ser destruído, se possível. O mais importante foi que a privação sexual induziu a histeria, o que era desejável porque podia ser transformado em febre de guerra e culto ao líder.

Da Igreja Católica Romana, ao ISIS, à esterilidade sexual e mental de uma cultura corporativa, o sexo é um desejo inegavelmente humano. Nas culturas em que o sexo é mais suprimido, vemos mais violência. Rapazes virgens, isolados pela geografia e pela ideologia radical, de bom grado e empolgadamente, envolvem explosivos em volta do peito, na oportunidade de se tornarem mártires em nome de seu deus. Nos indivíduos mais sexualmente reprimidos, podemos testemunhar o comportamento mais sexualmente desviante e violento. "O que você resiste persistirá", como o seu instrutor de yoga lhe dirá.

Não há mais mártires


“A festa não está interessada no ato evidente: o pensamento é tudo de que nos importamos. Nós não apenas destruímos nossos inimigos; nós os mudamos.

O governo controlador em 1984, o Partido, não estava preocupado em matar dissidentes como os nazistas ou os comunistas russos. Em vez disso, eles garantiram que não haveria mártires. A morte não foi concedida a um prisioneiro até que eles transformaram seu ódio pelo Big Brother em amor pelo Big Brother e mais ninguém. Todo o amor no mundo por algo diferente do Partido teve que ser expulso.


Realidade a cerca de tudo


O que é real? “Nós controlamos a matéria porque controlamos a mente. A realidade está dentro do crânio ”. E a realidade é criada por imagens e palavras. Vimos no último ciclo eleitoral, ou em qualquer ciclo eleitoral, que os políticos mentem descaradamente mesmo diante da verdade. E isso nunca parece importar. Os fatos não são convincentes. Mentiras são repetidas até que sejam estranhamente aceitas como fatos. Admitir uma mentira é perder o poder e admitir a criação de uma falsa realidade. Portanto, para manter o poder - controle da realidade - a mentira deve se tornar a verdade e a evidência da mentira deve ser feita para aparecer como evidência de forças externas forçando uma mentira.

“Quem controla o passado controla o futuro: quem controla o presente controla o passado”.

E ainda o passado, embora de sua natureza alterável, nunca foi alterado. O que quer que fosse verdade agora era verdade de eternidade a eternidade. Foi bem simples. Tudo o que era necessário era uma série interminável de vitórias sobre sua própria memória. “Controle da realidade”, eles chamavam; em Newspeak ", duplamente".


A realidade é definida pelo sofrimento

"Como um homem afirma seu poder sobre o outro, Winston?"

Winston pensou. "Ao fazê-lo sofrer", disse ele.

"Exatamente. Ao fazê-lo sofrer. Obediência não é suficiente. A menos que ele esteja sofrendo, como você pode ter certeza de que ele está obedecendo à sua vontade e não à sua própria vontade? O poder está infligindo dor e humilhação. O poder está despedaçando as mentes humanas e as reúne em novas formas de sua própria escolha. ”

Trechos do livro

Veja artigos sobre o fim dos tempos

Acompanhe nosso blog, para receber atualizações via whatsapp, mande uma mensagem para 19 993702148, para entrar em nossa lista de e-mail, envie para blogreflexoescristas@mail.com.

Notas, referencias de pesquisa e indicações de leitura

Livro 1984 George Orwell 
Assista uma rara adaptaçao de um dos seus livros: https://goo.gl/kR6bJV
Book Review: 1984 by George Orwell - Medium

Destaques de Reflexões Cristãs