Uigures são colocados em campos de trabalho forçado na China

Uigures na China sendo forçados a trabalhos manuais pesados, incluindo a colheita de algodão


A China está supostamente fazendo centenas de milhares de uigures colherem algodão em campos na região de Xinjiang, afirma um novo relatório da BBC. Junto com os uigures, outras minorias também estão sendo empurradas para o trabalho manual forçado.

Os documentos esclarecem como a China está usando minorias para colher algodão. O algodão chinês é responsável por um quinto da oferta global e abastece a indústria da moda mundial.

Uigures são colocados em campos de trabalho forçado na China



Milhões continuam detidos em campos. Além disso, os uigures são empregados com força em fábricas têxteis. O governo chinês continua negando as acusações, dizendo que os centros de detenção são escolas de treinamento vocacional. Além disso, eles afirmam que as fábricas fazem parte do esquema de redução da pobreza e que as pessoas aderem voluntariamente.

De acordo com os documentos vistos pela BBC, mais de meio milhão de trabalhadores de grupos minoritários são forçados a colher algodão em um ambiente coercitivo.

O Dr. Adrian Zenz, pesquisador sênior da Victims of Communism Memorial Foundation em Washington, descobriu os documentos e disse que o trabalho forçado existe em uma “escala histórica”, chamando a descoberta de uma “virada de jogo”. Zenz acrescentou que Xinjiang produz 85% do algodão da China e 20% do fornecimento global.


Os documentos acessados ​​pela BBC incluem documentos de política do governo e reportagens locais, que alegam que as prefeituras de Aksu e Hota enviaram 210.000 trabalhadores para colher algodão como parte de um programa de "transferência de trabalho" em 2018. Supostamente, eles colheram algodão para Xinjiang Production and Construction Corps - uma organização paramilitar.

Em 2020, a prefeitura de Aksu atendeu à necessidade de 142.700 trabalhadores em seus campos, “transferindo todos os que deveriam ser transferidos”. Como parte de tais esforços, as minorias são “mobilizadas” e então enviadas para campos a centenas de quilômetros de distância.

Nos últimos anos, os programas de redução da pobreza da China trabalharam com mais afinco como parte da ambição de Xi Jinping de eliminar a pobreza antes do 100º aniversário do Partido Comunista Chinês em 2021.

Depois de dois ataques a passageiros em Pequim em 2013 e em Kunming em 2014, os islamistas uigur foram responsabilizados. Logo depois, começaram a surgir “campos de reeducação”. Nesses campos havia pessoas que demonstravam comportamento que exibia falta de confiança. Isso inclui a instalação de aplicativos de mensagens criptografadas, visualização de material religioso e, em alguns casos, até mesmo um parente que mora no exterior.

A China espera transformar as “ideias ultrapassadas” das minorias por meio de seus campos.


Leia também:

👉 Porque a mídia esconde que os cristãos são os mais perseguidos no mundo?

👉 O mistério sobre os milhares caixões da FEMA



 Este blog produz opiniões e textos independentes em uma perspectiva cristã com atualizações todos os domingos, Obrigado por ler esse artigo, comente e de sua opinião, compartilhe com seus familiares e amigos, receba as Reflexões Cristãs pelo WhatsApp (19) 993702148.

Nenhum comentário