(Bíblia Comentada - Levítico 13) A Inconveniência da Lepra

Levítico 13 Comentado


O capitulo de Levítico 13, é uma exposição sobre a Lepra, os comentários abondam o assunto, seguindo o contexto.

O-mau-da-lepra
Lepra na Bíblia Sagrada


LEV 13:1 E falou o SENHOR a Moisés e a Arão, dizendo:
LEV 13:2 Quando o homem tiver na pele de sua carne inchaço, ou pústula, ou mancha branca, e houver na pele de sua carne como chaga de lepra, será trazido a Arão o sacerdote, ou a um dos sacerdotes seus filhos:
LEV 13:3 E o sacerdote olhará a chaga na pele da carne: se o pelo na chaga se tornou branco, e parecer a chaga mais profunda que a pele da carne, chaga de lepra é; e o sacerdote lhe reconhecerá, e lhe dará por impuro.
LEV 13:4 E se na pele de sua carne houver mancha branca, mas não parecer mais profunda que a pele, nem seu pelo se houver tornado branco, então o sacerdote encerrará ao que tem chagas por sete dias;
LEV 13:5 E ao sétimo dia o sacerdote o olhará; e se a chaga a seu parecer se houver parado, não havendo-se estendido na pele, então o sacerdote lhe voltará a encerrar por outros sete dias.
LEV 13:6 E ao sétimo dia o sacerdote lhe reconhecerá de novo; e se parece haver-se escurecido a chaga, e que não estendeu na pele, então o sacerdote o dará por limpo: era pústula; e lavará suas roupas, e será limpo.
LEV 13:7 Mas se houver ido crescendo a pústula na pele, depois que foi mostrado ao sacerdote para ser limpo, será visto outra vez pelo sacerdote:
LEV 13:8 E se reconhecendo-o o sacerdote, vê que a pústula cresceu na pele, o sacerdote o dará por impuro: é lepra.

A interpretação deste capítulo não apresenta pouca dificuldade. A descrição das doenças com as quais a lei trata aqui não é dada de forma científica; o ponto de vista, como o propósito de todos, é estritamente prático. Quanto à palavra hebraica traduzida por "lepra", ela mesma não fornece qualquer luz quanto à natureza da doença assim designada. A palavra significa simplesmente "um golpe", como também o termo genérico usado em Levítico 13: 2 e em outros lugares, e traduzido como "praga". Na medida em que os tradutores da Septuaginta prestaram o primeiro mandato pela palavra grega "lepra" (de onde vem a palavra "lepra"), e como se diz,saltrheum "), e para o que é hoje conhecido como hanseníase reservado o termo" elefantíase ", tem sido, portanto, instigado pela alta autoridade que nestes capítulos não há referência à lepra da fala moderna, mas apenas a algumas doenças ou enfermidades grave, psoríase ou outra, consistindo, assim, em uma erupção escamosa na pele.Para o argumento acima, também é acrescentado que os sinais que são dados para o reconhecimento da doença pretendida não são como deveríamos esperar se fosse a hanseníase moderna, como, por exemplo, não há menção da insensibilidade da pele, que é característica tão característica da doença, pelo menos, em uma variedade muito comum, além disso, encontramos neste capítulo não alusão à mutilação hedionda que tão comumente resulta da lepra.

Quando o uso do termo hebraico traduzido "lepra" é examinado, nesta lei e em outros lugares, certamente parece ser usado com grande precisão para descrever uma doença que tinha como característica muito característica o branqueamento da pele, juntamente com outras marcas comuns aos estágios iniciais da hanseníase, conforme apresentado neste capítulo. Somente em Levítico 13:12 a palavra hebraica parece ser aplicada a uma doença de caráter diferente, embora também marcada pelo branqueamento da pele. Quanto aos sintomas indicados, a ausência indubitável de muitos sinais conspícuos da lepra pode ser explicada pelas seguintes considerações. Em primeiro lugar, com uma única exceção ( Levítico 13: 9-11), os estágios iniciais da doença são descritos; e, em segundo lugar, pode-se razoavelmente supor que, através do desejo de assegurar a separação mais precoce possível de um homem leproso da congregação, os sinais deveriam ser notados e postos em prática, o que também pode ser encontrado em outras formas de doença de pele. O objetivo da lei é que, se possível, o homem seja removido do campo antes que a doença tenha assumido sua forma mais inequívoca e revoltante. Quanto à omissão de mencionar a insensibilidade da pele do leproso, isso parece ser suficientemente explicado quando lembramos que esse sintoma é característico de apenas uma, e não da variedade mais fatal da doença.

Mas, também tem sido instado, que em outros lugares na Escritura os chamados leprosos aparecem como se misturando com outras pessoas - como, por exemplo, no caso de Naamã e Geazi - de uma forma que mostra que a doença não era considerada como contagioso; de onde se infere, novamente, que a lepra que lemos na Bíblia não pode ser a mesma com a doença que é assim chamada em nosso tempo. Mas, em resposta a essa objeção, pode-se responder que mesmo a opinião médica moderna não tem sido de modo algum tão confiante da contagiosidade da doença - pelo menos até bem recentemente - como as pessoas na Idade Média; nem, além disso, podemos supor que a prevenção do contágio deve ter sido a principal razão para a segregação do leproso, de acordo com a lei levítica.

LEV 13:9 Quando houver chaga de lepra no homem, será trazido ao sacerdote;
LEV 13:10 E o sacerdote olhará, e se parecer inchaço branco na pele, o qual tenha mudado a cor do pelo, e se descobre também a carne viva,
LEV 13:11 Lepra é envelhecida na pele de sua carne; e lhe dará por impuro o sacerdote, e não lhe encerrará, porque é impuro.
LEV 13:12 Mas se brotar a lepra estendendo pela pele, e ela cobrir toda a pele do que tem chagas desde sua cabeça até seus pés, a toda vista de olhos do sacerdote;
LEV 13:13 Então o sacerdote lhe reconhecerá; e se a lepra houver coberto toda sua carne, dará por limpo ao que tem chagas: tornou-se toda ela branca; e ele é limpo.
LEV 13:14 Mas o dia que parecer nele a carne viva, será impuro.
LEV 13:15 E o sacerdote olhará a carne viva, e o dará por impuro. É impura a carne viva: é lepra.
LEV 13:16 Mas quando a carne viva se mudar e tornar branca, então virá ao sacerdote;
LEV 13:17 E o sacerdote olhará, e se a chaga se houver tornado branca, o sacerdote dará por limpo ao que tinha a chaga, e será limpo.
LEV 13:18 E quando na carne, em sua pele, houver úlcera, e se sarar,
LEV 13:19 E suceder no lugar da úlcera inchaço branco, ou mancha branca avermelhada, será mostrado ao sacerdote:
LEV 13:20 E o sacerdote olhará; e se parecer estar mais baixa que sua pele, e seu pelo se houver tornado branco, o dará o sacerdote por impuro: é chaga de lepra que se originou na úlcera.

Em apoio adicional à opinião mais comum, que identifica a doença principalmente referida neste capítulo com a lepra dos tempos modernos, as seguintes considerações parecem ser de pouco peso. Em primeiro lugar, as próprias palavras que são aplicadas à doença nesses capítulos e em outros lugares, - tsara'ath e nega ' , ambos significam, etimologicamente, "um derrame" , isto é , um derrame em algum sentido eminente, enquanto peculiarmente Se a doença for a que hoje conhecemos como lepra, parece muito estranhamente escolhida se, como pensa Sir Risdon Bennett, apenas designarem variedades de uma doença de tão pouca seriedade como a psoríase. Então, novamente, as palavras usadas por Arão para Moisés, {Num 12:12}referindo-se à lepra de Miriam, merece grande peso aqui: "Não seja ela, peço, que seja como um morto, de quem a carne é meio consumida". Estas palavras respondem suficientemente à alegação de que não há uma referência certa nas Escrituras à mutilação que é tão característica dos últimos estágios da doença. Não seria fácil descrever em linguagem mais precisa a condição do leproso à medida que a peste avança; enquanto, por outro lado, se a lepra da Bíblia é apenas uma afeição tão leve como " sal-reum " , essas palavras e o horror evidente que elas expressam são tão exageradas a ponto de serem bastante irresponsáveis.

Então, novamente, não podemos perder de vista o lugar que a doença conhecida na linguagem das Escrituras como a lepra guarda à vista da lei. De fato, é destacado de uma infinidade de doenças como o objeto dos regulamentos mais severos e severos, e o mais elaborado cerimonial, conhecido pela lei. Agora, se a doença pretendia ser realmente a terrível elefantíase Graecorum da ciência médica moderna, popularmente conhecida como lepra, isso é mais natural e razoável; mas se, por outro lado, apenas algumas doenças não malignas como a psoríase se destinam, este fato é inexplicável. Além disso, o teor de todas as referências à doença na Escritura implica que ela foi considerada tão incurável que sua remoção em qualquer caso foi considerada como um sinal especial do exercício do poder Divino.{2Rs 5: 3} como alguém que poderia curá-lo, em vez de provar que foi considerado curável - como tem sido estranhamente recomendado - por meios comuns, certamente prova exatamente o oposto. Naamã, sem dúvida, esgotara os recursos médicos; e a esperança da empregada para ele não se baseia na habilidade médica de Eliseu, mas no fato de que ele era um profeta de Deus e, portanto, capaz de recorrer ao poder Divino. Para o mesmo efeito é a palavra do rei de Israel, quando ele recebeu a carta de Naamã: {2Rs 5: 7} "Eu sou Deus, para matar e para ganhar vivo, que este homem me envia para recuperar um homem de sua lepra? " Em total concordância com isto está o apelo do nosso Senhor {Mateus 11: 5} a Sua purificação dos leprosos, como um sinal de Sua messianidade, que Ele classifica para poder convincente junto com a ressurreição dos mortos.

Tampouco é uma objeção fatal à compreensão usual deste assunto, que porque a lei levítica prescreve um ritual para a limpeza cerimonial do leproso no caso de sua cura, pois a doença assim chamada não poderia ser uma da gravidade e suposta incurabilidade. da verdadeira lepra. Pois deve-se notar, em primeiro lugar, que não há indicação de que a recuperação da lepra era uma ocorrência comum, ou mesmo que era de se esperar, independentemente do poder direto de Deus; e, em segundo lugar, que a narrativa escriturística representa Deus como agora e então - embora muito raramente - interpor-se para a cura do leproso. E talvez possa ser acrescentado que, enquanto uma autoridade recente escreve, e com verdade, "a habilidade médica parece ter sido mais completamente frustrada por isso do que por qualquer outra doença".

LEV 13:21 E se o sacerdote a considerar, e não parecer nela pelo branco, nem estiver mais baixa que a pele, mas sim escura, então o sacerdote o encerrará por sete dias:
LEV 13:22 E se se for estendendo pela pele, então o sacerdote o dará por impuro: é chaga.
LEV 13:23 Porém se a mancha branca estiver em seu lugar, que não tenha estendido, é a cicatriz da úlcera; e o sacerdote o dará por limpo.
LEV 13:24 Assim quando a carne tiver em sua pele queimadura de fogo, e houver no sarado do fogo mancha esbranquiçada, avermelhada ou branca,
LEV 13:25 O sacerdote a olhará; e se o pelo se houver tornado branco na mancha, e parecer estar mais profunda que a pele, é lepra que saiu na queimadura; e o sacerdote declarará ao sujeito impuro, por ser chaga de lepra.
LEV 13:26 Mas se o sacerdote a olhar, e não parecer na mancha pelo branco, nem estiver mais baixa que a pele, mas sim que está escura, lhe encerrará o sacerdote por sete dias;
LEV 13:27 E ao sétimo dia o sacerdote a reconhecerá: se se houver ido estendendo pela pele, o sacerdote o dará por impuro: é chaga de lepra.
LEV 13:28 Porém se a mancha estiver em seu lugar, e não se houver estendido na pele, a não ser que está escura, inchaço é da queimadura: o dará o sacerdote por limpo; que sinal da queimadura é.
LEV 13:29 E ao homem ou mulher que lhe sair chaga na cabeça, ou no queixo,
LEV 13:30 O sacerdote olhará a chaga; e se parecer estar mais profunda que a pele, e o pelo nela fora ruivo e fino, então o sacerdote o dará por impuro: é tinha, é lepra da cabeça ou do queixo.
LEV 13:31 Mas quando o sacerdote houver olhado a chaga da tinha, e não parecer estar mais profunda que a pele, nem for nela pelo negro, o sacerdote encerrará ao que tem chagas da tinha por sete dias:
LEV 13:32 E ao sétimo dia o sacerdote olhará a chaga: e se a tinha não parecer haver-se estendido, nem houver nela pelo ruivo, nem parecer a tinha mais profunda que a pele,
LEV 13:33 Então o raparão, mas não raparão o lugar da tinha: e encerrará o sacerdote ao que tem a tinha por outros sete dias.

O capítulo diante de nós exige pouca exposição detalhada. O diagnóstico da doença pelo padre é tratado sob quatro cabeças diferentes: 

(1) o caso de uma lepra nascendo espontaneamente (vv. 1-17, 38, 39); 

(2) lepra saindo de uma fervura (vv. 18-24); 

(3) ressurgindo de uma queimadura (vv. 24-28); 

(4) lepra na cabeça ou barba (vv. 29-37, 40-44). 

As indicações que devem ser observadas são descritas ( Levítico 13: 2-3 , Levítico 13: 24-27)., etc.) como uma subida da superfície, uma crosta (ou escama), ou uma mancha brilhante (muito característica), a presença na mancha do cabelo ficou branca, a doença aparentemente mais profunda que a pele externa ou lenço, uma avermelhada cor branca da superfície, e uma tendência a se espalhar. A presença de carne crua é mencionada ( Levítico 13:10 ) como uma indicação de uma lepra já um pouco avançada, "uma lepra antiga". Em caso de dúvida, o caso suspeito deve ser isolado por um período de sete ou, se necessário, quatorze dias, ao término do qual o veredicto do padre deve ser dado, como os sintomas podem então indicar. 

Dois casos são mencionados que o padre não deve considerar como lepra. O primeiro ( Levítico 13: 12-13é aquela em que a praga "cobre toda a pele daquele que leva as pragas desde a cabeça até os pés, até onde aparece ao sacerdote", de modo que "tudo se torna branco". Em um primeiro momento, isso parece bastante desconcertante, visto que a lepra finalmente afeta todo o corpo. Mas a solução da dificuldade não está longe de procurar. Pois o próximo versículo prevê que, em tal caso, se "carne crua" aparecer, ele será considerado impuro. A explicação desta provisão de Levítico 13:12É, portanto, aparentemente isto: se uma erupção tivesse se espalhado para cobrir todo o corpo, tornando-a branca, e ainda nenhuma carne crua aparecesse em qualquer lugar, a doença não poderia ser verdadeira lepra como, se fosse, então, por o tempo que havia estendido, "carne crua" certamente teria aparecido em algum lugar. A doença indicada por essa exceção era de fato bem conhecida dos antigos, assim como também dos modernos como "tetter seco"; que, embora seja uma afecção freqüentemente de longa duração, freqüentemente desaparece espontaneamente e nunca é maligna. 

O segundo caso especificado para não ser confundido com a lepra é mencionado em Levítico 13: 38-39., onde é descrito como marcado por pontos brilhantes de uma brancura opaca, mas sem o cabelo branco e outros sinais característicos da lepra. A palavra hebraica pela qual é designada é traduzida na versão revisada "tetter"; e a doença, um tetter ou eczema não maligno, ainda é conhecida no Oriente sob o mesmo nome ( bohak ) que é aqui usado. Levítico 13: 45-46

dê a lei àquele que foi do sacerdote, que julgou ser leproso. Ele deve ir com as roupas rasgadas, com o cabelo negligenciado, o lábio coberto, gritando: "Imundo! Imundo!" sem o acampamento, e lá permaneça sozinho enquanto ele continuar a ser afligido pela doença. Em outras palavras, ele deve assumir todos os sinais comuns de luto pelos mortos; ele deve se considerar, e todos os outros devem considerá-lo como um homem morto. Por assim dizer, ele é um contínuo enlutado em seu próprio funeral.

Onde está a razão dessa lei? Poder-se-ia responder, em geral, que a extrema repugnância da doença, que fazia com que a presença de quem a abominasse, até mesmo aos amigos mais próximos, por si só a tornasse adequada, por mais angustiante que fosse a necessidade, tais pessoas devem ser excluídas de toda possibilidade de aparecer, em sua corrupção revoltante, nos recintos sagrados e puros do tabernáculo do Deus santo, como também de se misturar com Seu povo. Muitos, no entanto, viram no regulamento apenas uma lei sensata de higiene pública. Que uma intenção sanitária pode muito provavelmente ter sido incluída no propósito desta lei, não estamos de modo algum inclinados a negar. Em épocas anteriores, e durante toda a idade média, a doença era considerada contagiosa; e leprosos foram consequentemente segregados, na medida do possível, das pessoas. Nos tempos modernos, o peso da opinião até os últimos anos tem sido contra essa visão mais antiga; mas a tendência da autoridade médica parece agora ser reafirmar a crença mais antiga. O alarmante aumento desta doença horrível em todas as partes do mundo, nos últimos tempos, após um relaxamento geral das precauções contra o contágio, que antes eram consideradas necessárias, certamente apóia esse julgamento; e assim pode-se facilmente acreditar que havia apenas um terreno sanitário para as rígidas regras do código Mosaico. E só aqui pode ser observado que, se de fato houver algum grau de contágio, por menor que seja, nessa praga, ninguém que tenha visto a doença, ou compreenda algo de seu incomparável horror e repugnância, Sentirão que há alguma força nas objeções que foram feitas a essa parte da lei mosaica, como a crueldade desumana em relação aos sofredores. Até mesmo o risco de contágio era pequeno, como provavelmente é, ainda, tão terrível é a doença que alguém diria com mais justiça que a única desumanidade seria permitir que os aflitos tivessem relações irrestritas com seus semelhantes. A verdade é que a lei mosaica sobre o tratamento do leproso, quando comparada com os regulamentos que tocam os leprosos que prevaleceram entre as outras nações, é contrastada com eles por sua leniência comparativa. A lei hindu, como é bem conhecida, insiste mesmo em que o leproso deve se extinguir, exigindo que ele seja enterrado vivo. como provavelmente é, ainda, tão terrível é a doença que alguém diria com mais justiça que a única desumanidade seria permitir que os aflitos tivessem relações irrestritas com seus semelhantes. A verdade é que a lei mosaica sobre o tratamento do leproso, quando comparada com os regulamentos que tocam os leprosos que prevaleceram entre as outras nações, é contrastada com eles por sua leniência comparativa. A lei hindu, como é bem conhecida, insiste mesmo em que o leproso deve se extinguir, exigindo que ele seja enterrado vivo. como provavelmente é, ainda, tão terrível é a doença que alguém diria com mais justiça que a única desumanidade seria permitir que os aflitos tivessem relações irrestritas com seus semelhantes. A verdade é que a lei mosaica sobre o tratamento do leproso, quando comparada com os regulamentos que tocam os leprosos que prevaleceram entre as outras nações, é contrastada com eles por sua leniência comparativa. A lei hindu, como é bem conhecida, insiste mesmo em que o leproso deve se extinguir, exigindo que ele seja enterrado vivo. quando comparados com os regulamentos que tocam os leprosos que prevaleceram entre as outras nações, contrapõe-se a eles por sua leniência comparativa. A lei hindu, como é bem conhecida, insiste mesmo em que o leproso deve se extinguir, exigindo que ele seja enterrado vivo. quando comparados com os regulamentos que tocam os leprosos que prevaleceram entre as outras nações, contrapõe-se a eles por sua leniência comparativa. A lei hindu, como é bem conhecida, insiste mesmo em que o leproso deve se extinguir, exigindo que ele seja enterrado vivo.

Mas se incluirmos nesses regulamentos uma intenção sanitária, isso certamente não esgotará seu significado. Antes, se isto for admitido, somente fornece a base, como no caso das leis concernentes às carnes limpas e impuras, para um ensinamento espiritual ainda mais profundo. Pois, como comentado anteriormente, é um dos pensamentos fundamentais da lei mosaica, que a morte, como sendo a manifestação de visível manifestação da presença do pecado na raça, e um sinal da consequente ira sagrada de Deus contra o homem pecador, está inseparavelmente ligado à impureza legal. Mas toda doença é precursora da morte, uma morte incipiente; e é, portanto, não menos real do que a morte real, uma manifestação visível da presença e poder do pecado operando no corpo através da morte. E, no entanto, é fácil ver que teria sido bastante impraticável levar a cabo uma lei que, portanto, toda doença deveria tornar o doente cerimonialmente impuro; enquanto, por outro lado, foi por consequência que Israel, e nós também, devemos ser mantidos em memória desta conexão entre pecado e doença, como o começo da morte. O que poderia ter sido mais adequado, então, do que isto, que a única doença que, sem exagero, é de todas as doenças a mais repugnante, que é mais manifestamente uma representação visível daquilo que é em certa medida de toda doença, que é a morte trabalhando na vida, aquela doença que é, não em um sentido meramente retórico, mas de fato, uma imagem viva da morte, deve ser selecionada de todos os outros para a ilustração deste princípio: ser para Israel e para nós, um visível, perpétuo,

E isso é precisamente o que foi feito. Isso explica, como as considerações sanitárias não o fazem, não apenas a separação do leproso do povo santo, mas também o simbolismo solene que exigia que ele assumisse a aparência de um luto pelos mortos; como também o simbolismo de sua limpeza, que, da mesma maneira, correspondia muito de perto ao ritual de purificação da contaminação pelos mortos. Assim, embora todas as doenças, de um modo geral, sejam consideradas nas Sagradas Escrituras como um símbolo adequado de pecado, sempre se reconheceu que, entre todas as doenças, a lepra é isso em um sentido excepcional e preeeminente. Esse pensamento parece ter estado na mente de Davi quando, após seu assassinato de Urias e adultério com Bate-Seba, pranteava sua iniqüidade {Sl 51: 7}.ele orou: "Purifica-me com hissopo e ficarei limpo". Pois o único uso do hissopo na lei, ao qual se poderia fazer alusão nestas palavras, é o que é ordenado na lei para a purificação do leproso, pela aspersão do homem (Lev 14: 4-7). purificado com sangue e água com um ramo de hissopo. 


LEV 13:34 E ao sétimo dia olhará o sacerdote a tinha; e se a tinha não houver estendido na pele, nem parecer estar mais profunda que a pele, o sacerdote o dará por limpo; e lavará suas roupas, e será limpo.
LEV 13:35 Porém se a tinha se houver ido estendendo na pele depois de sua purificação,
LEV 13:36 Então o sacerdote a olhará; e se a tinha houver estendido na pele, não busque o sacerdote o pelo ruivo, é impuro.
LEV 13:37 Mas se lhe parecer que a tinha está detida, e que saiu nela o pelo negro, a tinha está sarada; ele está limpo, e por limpo o dará o sacerdote.
LEV 13:38 Também o homem ou mulher, quando na pele de sua carne tiver machas, machas brancas,
LEV 13:39 O sacerdote olhará: e se na pele de sua carne parecerem machas brancas algo escurecidas, é impigem que brotou na pele, está limpa a pessoa.
LEV 13:40 E o homem, quando se lhe cair os cabelos da cabeça, é calvo, mas limpo.
LEV 13:41 E se à parte de seu rosto se lhe cair os cabelos da cabeça, é calvo pela frente, mas limpo.
LEV 13:42 Mas quando na calva ou na calva da frente houver chaga branca avermelhada, lepra é que brota em sua calva ou em sua calva da frente.
LEV 13:43 Então o sacerdote o olhará, e se parecer a inchaço da chaga branca avermelhada em sua calva ou em sua calva da frente, como o parecer da lepra da pele da carne,
LEV 13:44 Leproso é, é impuro; o sacerdote o dará logo por impuro; em sua cabeça tem sua chaga.
LEV 13:45 E o leproso em quem houver chaga, suas roupas serão derrotados e sua cabeça descoberta, e com o lábio superior coberto proclamará: -Imundo! -Imundo!
LEV 13:46 Durante todo o tempo que a chaga estiver nele será imundo; estará impuro: habitará sozinho; fora do acampamento será sua morada.
LEV 13:47 E quando na roupa houver praga de lepra, em vestido de lã, ou em vestido de linho;
LEV 13:48 Ou na urdidura ou em trama, de linho ou de lã, ou em pele, ou em qualquer obra de pele;
LEV 13:49 E que a praga seja verde, ou vermelha, em roupa ou em pele, ou na urdidura, ou em trama, ou em qualquer obra de pele; praga é de lepra, e se há de mostrar ao sacerdote.
LEV 13:50 E o sacerdote olhará a praga, e encerrará a coisa que tem praga por sete dias.
LEV 13:51 E ao sétimo dia olhará a praga: e se houver estendido a praga na roupa, ou urdidura, ou na trama, ou em pele, ou em qualquer obra que se faz de peles, lepra roedora é a praga; impura será.
LEV 13:52 Será queimada a roupa, ou urdidura ou trama, de lã ou de linho, ou qualquer obra de peles em que houver tal praga; porque lepra roedora é; ao fogo será queimada.
LEV 13:53 E se o sacerdote olhar, e não parecer que a praga se tenha estendido na roupa, ou urdidura, ou na trama, ou em qualquer obra de peles;
LEV 13:54 Então o sacerdote mandará que lavem onde está a praga, e o encerrará outra vez por sete dias.

E assim descobrimos que, mais uma vez, esse elaborado cerimonial contém, não apenas uma lição instrutiva de saneamento público, e sugestões práticas de higiene para nossos tempos modernos; mas também as lições, muito mais profundas e significativas, relativas àquela enfermidade espiritual com a qual toda a raça humana é sobrecarregada, - portanto, os menos graves consequências pessoais para cada um de nós.

De entre todas as doenças, a lepra foi selecionada pelo Espírito Santo para permanecer na lei como o tipo supremo de pecado, como visto por Deus! Este é o fato muito solene que nos é apresentado neste capítulo. Vamos considerá-lo bem e ver que recebemos a lição, por mais humilhante e dolorosa que seja, no espírito de mansidão e penitência. Vamos estudá-lo de tal modo que, com grande fervor e verdadeira fé, recorreremos ao verdadeiro e celestial Sumo Sacerdote, o único que pode nos purificar dessa dolorosa enfermidade. E, para isso, devemos considerar cuidadosamente o que está envolvido nesse tipo.

Em primeiro lugar, a lepra é, sem dúvida, selecionada como um tipo especial de pecado, devido à sua extrema repulsa. Começando, de fato, como um lugar insignificante, "um lugar luminoso", uma mera escamação na pele, continua se espalhando, progredindo sempre de mal a pior, até que enfim o membro cai do membro, e apenas o hediondo remanescente mutilado do que Era uma vez um homem é deixado. Um retrato vívido da realidade horrível foi dado pelo veterano observador missionário e muito preciso, o Rev. William Thomson, DD, que escreve assim: "Quando me aproximava de Jerusalém, fiquei surpreso com a repentina aparição de uma multidão de mendigos". , sem olhos, sem nariz, sem cabelo, sem tudo Eles levantaram os braços sem mãos, sons sobrenaturais gargarejaram através de gargantas sem paladar, - em uma palavra, fiquei horrorizada. " Muito horrível isso é para ser repetido ou pensado? Sim! Mas então, mais solenemente instrutivo é que o Espírito Santo deveria ter escolhido esta doença, a mais repugnante de todas, como a mais fatal de todas, para simbolizar para nós a verdadeira natureza daquela doença espiritual que afeta a todos nós, como é visto pelo Deus onisciente e mais santo.

Mas será muito natural reunir-se com alguns: Certamente, foi um exagero grosseiro aplicar este horrível simbolismo ao caso de muitos que, embora na verdade pecadores, incrédulos também em Cristo, exibem certamente personagens verdadeiramente encantadores e atraentes. Que isso é verdade em relação a muitos que, de acordo com as Escrituras, ainda não foram salvos, não pode ser negado. Lemos sobre um deles no Evangelho, um jovem incrédulo que ainda era tal que "Jesus, olhando para ele, o amava". {Mar 10:20} Mas este fato só faz da lepra o símbolo mais adequado do pecado. Para outra característica da doença é o seu começo insignificante e muitas vezes até imperceptível. Dizem-nos que, no caso daqueles que herdam a mácula, ela freqüentemente permanece bastante adormecida no começo da vida, aparecendo apenas gradualmente nos anos posteriores.

Quão perfeitamente o tipo, a esse respeito, simboliza o pecado! E seguramente qualquer homem pensativo confessará que este fato faz a presença da infecção não menos alarmante, mas mais. Nenhum conforto, então, pode ser corretamente obtido a partir de qualquer comparação complacente de nossos próprios personagens com aqueles de muitos, talvez professando mais, que são muito piores do que nós, como é a maneira de alguns. Ninguém que soubesse que dos seus pais herdara a mácula leprosa, ou em quem a lepra aparecia até agora como um insignificante ponto luminoso, confortaria-se grandemente com a observação de que outros leprosos eram muito piores; e que ele ainda era justo e bom de se ver. Embora a lepra estivesse nele, mas apenas começada, isso seria suficiente para enchê-lo de desânimo e consternação. Então, deveria ser no que diz respeito ao pecado.

LEV 13:55 E o sacerdote olhará depois que a praga for lavada; e se parecer que a praga não mudou seu aspecto, ainda que não tenha estendido a praga, impura é; a queimarás ao fogo; corrosão é penetrante, esteja o estragado na face ou no verso daquela coisa.
LEV 13:56 Mas se o sacerdote a vir, e parecer que a praga se escureceu depois que foi lavada, a cortará da roupa, ou da pele, ou da urdidura, ou da trama.
LEV 13:57 E se parecer mais no vestido, ou urdidura, ou trama, ou em qualquer coisa de peles, esverdeando nela, queimarás ao fogo aquilo onde estiver a praga.
LEV 13:58 Porém a roupa, ou urdidura, ou trama, ou qualquer coisa de pele que lavares, e que se lhe tirar a praga, se lavará segunda vez, e então será limpa.
LEV 13:59 Esta é a lei da praga da lepra da roupa de lã ou de linho, ou da urdidura, ou da trama, ou de qualquer coisa de pele, para que seja dada por limpa ou por impura.

E afetaria tanto tal homem quanto mais seguro, quando ele soubesse que a doença, por mais leve que fosse em seus primórdios, era certamente progressista. Esta é uma das marcas infalíveis da doença. Pode progredir lentamente, mas progride com segurança. Para citar novamente a descrição vívida e verdadeira do escritor acima mencionado, 

"Ele vem em graus em diferentes partes do corpo: o cabelo falha da cabeça e das sobrancelhas; as unhas se soltam, decaem e caem; juntas após as articulações dos dedos das mãos e dos pés encolhe e lentamente cai, as gengivas são absorvidas e os dentes desaparecem, o nariz, os olhos, a língua e o paladar são lentamente consumidos e, finalmente, a pobre vítima afunda na terra e desaparece ".

A esse respeito, novamente, a aptidão da doença para ser um tipo eminente de pecado é inegável. Nenhum homem pode ficar moralmente parado. Ninguém jamais reteve a inocência da infância. Exceto como contrabalançado pela eficiente graça do Espírito Santo no coração, a Palavra (2 Timóteo 3:13) é sempre visivelmente cumprida, "os homens maus aumentam cada vez mais". O pecado pode não se desenvolver em todos com igual rapidez, mas progride em todo homem natural, exteriormente ou internamente, com igual certeza.

Notas finais do autor         

→O credito e a referencia da tradução, pertencem a Blive, responsável pela tradução da Bíblia Nestlé 1904, usada como padrão em nossa bíblia comentada.         

→As opiniões e os comentários bíblicos, estão sempre em vermelho, e são escritas por Lucas Ajudarte, teólogo formado, pela Faculdade Nacional de Teologia de São Loureço MG. 

Leia todos os outros comentários de Levítico, e aprenda ainda mais sobre a palavra de Deus.    Compartilhe essa postagem com seus amigos e familiares, receba Reflexões Cristãs por whatsapp (19)993702148. 

Patrocinado

Conteúdos correspondentes